Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

Aprovado à unanimidade pela Assembleia Legislativa, o projeto de lei nº 245/2021, de autoria do Poder Executivo, dispondo sobre a denominação do Arquivo Público do Estado do Pará, em homenagem ao jurista e professor paraense Zeno Augusto de Bastos Veloso,…

Ontem duas famílias viveram momentos de terror, vítimas de assalto à mão armada por volta das 13 horas, durante passeio no Parque do Utinga, um dos lugares mais lindos de Belém e importante equipamento turístico parauara. Trata-se do oitavo roubo…

As mazelas do garimpo ilegal e a inércia

exploração ilegal do ouro na Terra Indígena Kayapó não é de hoje. Em março deste ano, a Polícia Federal flagrou as atividades de garimpo na aldeia Turedjan, e agora culminou suas investigações com a Operação Muiraquitã, cumprindo 11 mandados de prisão preventiva, 14 buscas e apreensões e 3 conduções coercitivas, autorizados pela Justiça Federal de Redenção(PA).  Pelas estimativas da Funai, são extraídos 20 Kg de ouro por semana da reserva, o que pode representar movimentação mensal de R$ 8 milhões. 

O garimpo ilegal  gera todo tipo de violência, além de acabar com a saúde, a paz e a identidade cultural do povo indígena.  As disputas de áreas estabelecem relações de permanente conflito que incluem ameaças de morte entre os indivíduos participantes das atividades criminosas – inclusive indígenas – e profundas crises entre etnias que ocupam reservas limítrofes na região. Os danos ambientais são muitos e gravíssimos: desvio do curso de rios, desmonte hidráulico (no caso de garimpagem mecânica), aterramento de rios e contaminação do solo, ar e águas através de metais pesados, principalmente o mercúrio. A paisagem é modificada, a vegetação extinta e os animais fogem ou morrem por causa da contaminação. Detalhe aterrador: esses acontecimentos não estão limitados a uma única Terra Indígena nem a uma região. É a tal coisa: todo mundo sabe mas ninguém vê ou faz algo eficaz. Uma verdadeira tragédia que vem se consumando sob um manto silencioso. Até quando?

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *