Desde sua origem, Marabá (PA) sofre anualmente enchentes dos rios Tocantins e Itacaiúnas e a população que reside em áreas de risco fica em situação de vulnerabilidade. Todos os anos a defesa civil estadual e municipal planeja, monitora e prepara…

Em noite de gala na próxima segunda-feira, 24, às 19h, no Teatro Maria Sylvia Nunes, em Belém, o governador Helder Barbalho vai lançar o 110º Campeonato Paraense de Futebol, o Parazão Banpará 2022, com transmissão ao vivo pela TV e…

Todos os órgãos de segurança estão trabalhando de forma integrada para dar suporte à população em face da destruição do pilar central e iminente desabamento do vão da ponte do Outeiro. O Centro Integrado de Comando e Controle da Segup…

O Procurador-Geral de Justiça do Estado do Pará, César Mattar Jr., recebeu em audiência o advogado Arnaldo Jordy e uma comissão integrada por Simone Pereira, da Universidade Federal do Pará; Marcelo Alves, da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e…

As mazelas do garimpo ilegal e a inércia

exploração ilegal do ouro na Terra Indígena Kayapó não é de hoje. Em março deste ano, a Polícia Federal flagrou as atividades de garimpo na aldeia Turedjan, e agora culminou suas investigações com a Operação Muiraquitã, cumprindo 11 mandados de prisão preventiva, 14 buscas e apreensões e 3 conduções coercitivas, autorizados pela Justiça Federal de Redenção(PA).  Pelas estimativas da Funai, são extraídos 20 Kg de ouro por semana da reserva, o que pode representar movimentação mensal de R$ 8 milhões. 

O garimpo ilegal  gera todo tipo de violência, além de acabar com a saúde, a paz e a identidade cultural do povo indígena.  As disputas de áreas estabelecem relações de permanente conflito que incluem ameaças de morte entre os indivíduos participantes das atividades criminosas – inclusive indígenas – e profundas crises entre etnias que ocupam reservas limítrofes na região. Os danos ambientais são muitos e gravíssimos: desvio do curso de rios, desmonte hidráulico (no caso de garimpagem mecânica), aterramento de rios e contaminação do solo, ar e águas através de metais pesados, principalmente o mercúrio. A paisagem é modificada, a vegetação extinta e os animais fogem ou morrem por causa da contaminação. Detalhe aterrador: esses acontecimentos não estão limitados a uma única Terra Indígena nem a uma região. É a tal coisa: todo mundo sabe mas ninguém vê ou faz algo eficaz. Uma verdadeira tragédia que vem se consumando sob um manto silencioso. Até quando?

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *