O magistrado, professor, escritor e jornalista Luiz Ernane Ferreira Ribeiro Malato, membro da Academia Paraense de Letras e da Academia Paraense de Jornalismo, tomou posse no cargo honorário de Cônsul da República Tcheca, o primeiro no Pará. A cerimônia foi…

Doutora em Ecologia pela University of Stirling, Escócia (1996), pesquisadora titular do Museu Paraense Emílio Goeldi, do qual foi diretora-geral (2005-2009), ex-presidente do Conselho Curador da Empresa Brasil de Comunicação-EBC e presidente do Conselho de Administração do Instituto de Desenvolvimento…

O Brasil tem 1,3 milhão de advogad@s e segundo a OAB deve ultrapassar a marca de 2 milhões em 2023. Além disso, o país tem a maior proporção de advogad@s por habitante, um (a) para cada 170 habitantes. Esse crescimento…

O prefeito de Belém, Edmilson Rodrigues, vai inaugurar na terça-feira, 6, a partir das 10h, o Teatro Popular Nazareno Tourinho, no bairro da Cidade Velha, em um prédio que estava abandonado há anos, conhecido como “Casa Amarela”, que estava sem…

As mazelas do garimpo ilegal e a inércia

exploração ilegal do ouro na Terra Indígena Kayapó não é de hoje. Em março deste ano, a Polícia Federal flagrou as atividades de garimpo na aldeia Turedjan, e agora culminou suas investigações com a Operação Muiraquitã, cumprindo 11 mandados de prisão preventiva, 14 buscas e apreensões e 3 conduções coercitivas, autorizados pela Justiça Federal de Redenção(PA).  Pelas estimativas da Funai, são extraídos 20 Kg de ouro por semana da reserva, o que pode representar movimentação mensal de R$ 8 milhões. 

O garimpo ilegal  gera todo tipo de violência, além de acabar com a saúde, a paz e a identidade cultural do povo indígena.  As disputas de áreas estabelecem relações de permanente conflito que incluem ameaças de morte entre os indivíduos participantes das atividades criminosas – inclusive indígenas – e profundas crises entre etnias que ocupam reservas limítrofes na região. Os danos ambientais são muitos e gravíssimos: desvio do curso de rios, desmonte hidráulico (no caso de garimpagem mecânica), aterramento de rios e contaminação do solo, ar e águas através de metais pesados, principalmente o mercúrio. A paisagem é modificada, a vegetação extinta e os animais fogem ou morrem por causa da contaminação. Detalhe aterrador: esses acontecimentos não estão limitados a uma única Terra Indígena nem a uma região. É a tal coisa: todo mundo sabe mas ninguém vê ou faz algo eficaz. Uma verdadeira tragédia que vem se consumando sob um manto silencioso. Até quando?

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *