Em 17 de agosto é celebrado o Dia do Patrimônio Histórico. A Lei nº 378/1937, no governo Getúlio Vargas, criou o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, a fim de proteger e preservar os bens culturais do país, marcando…

A incorporação do território da então Província do Grão Pará e Rio Negro ao Império Brasileiro, fruto de um engodo, ensejou em poucos meses a tragédia do brigue Palhaço e, mais de dez anos depois, a sangrenta Cabanagem, mas esse…

O juiz Jonatas dos Santos Andrade renunciou à presidência da Amatra 8 – Associação dos Magistrados Trabalhistas da 8ª Região e vai assumir o cargo de Juiz Auxiliar da Presidência do Conselho Nacional de Justiça, a convite da ministra Rosa…

Quando todos apostavam em uma radicalização que causasse esgarçamento das relações empresariais na cúpula das indústrias instaladas no Pará, a diretoria da Federação das Indústrias do Estado do Pará, liderada por José Conrado Santos e José Maria Mendonça, deu uma…

Arena Guilherme Paraense inaugura nesta sexta

Foto: Thiago Gomes
O governador Simão Jatene inaugura nesta sexta-feira a Arena Guilherme Paraense, o Mangueirinho, com capacidade para quase 12 mil pessoas, na área do Estádio Olímpico Edgar Proença, o Mangueirão, com um jogo de vôlei entre atletas paraenses e campeões olímpicos brasileiros, como Dante, Maurício e Marcelo Negrão. 

Nascido em Belém, tenente-coronel do Exército, pentacampeão nacional de tiro ao alvo, Guilherme Paraense foi o primeiro brasileiro a ganhar medalha de ouro na história das Olimpíadas, nos Jogos da Antuérpia, em 1920. Condecorado pelo então presidente da República Café Filho, o atleta paraense também dá nome ao Polígono de Tiro Tenente Guilherme Paraense, da Academia Militar das Agulhas Negras, em Resende (RJ). Ali o Exército promove, anualmente, uma competição também denominada Guilherme Paraense, válida para o calendário nacional de tiro esportivo. Ele também foi homenageado nos Jogos Olímpicos de Barcelona, em 1992, com um selo especial, e o Comitê Olímpico Brasileiro incluiu, em 2013 e 2014, o revólver Colt usado por Guilherme Paraense em 1920 na exposição interativa “Jogos Olímpicos: Esporte, Cultura e Arte”, que serviu de aquecimento para as Olimpíadas de 2016, quando um atleta brasileiro voltou a conquistar medalha olímpica no tiro esportivo: Felipe Wu obteve a prata. Até hoje, além de pioneiro, Guilherme Paraense foi o único brasileiro a ganhar o ouro nesta modalidade. Morreu em 18 de abril de 1968, aos 88 anos, no Rio de Janeiro, onde morou desde os 5 anos, sem nunca ter perdido os laços com o Pará. 

A Arena Guilherme Paraense foi financiada pelo BNDES e   será o primeiro ginásio do Pará completamente refrigerado, com placar eletrônico de última geração e cadeiras antifogo. Também oferecerá bares, restaurantes, banheiros, dois elevadores e oito cabines de imprensa. Está prometido para breve sistema de internet via wifi gratuito, via programa Navega Pará. 

O entorno do ginásio poliesportivo também recebeu urbanização, como gradil, gramado, projeto paisagístico, sinalização e estacionamento com 224 vagas. O projeto conta, ainda, com uma pista lateral para facilitar o trânsito em dias de evento e um espaço de convivência será construído por trás do prédio do Planetário.  

No domingo, a partir das 18h, haverá show com Fafá de Belém, Pinduca, Chimbinha, Almirzinho Gabriel, Keila Gentil, Nilson Chaves, Manoel Cordeiro, Felipe Cordeiro, Edilson Moreno, Lucinha Bastos, Arthur Espíndola, Kim Marques, Arraial do Pavulagem, Andreia Pinheiro, Paulo José Campos de Melo, Paulo André Barata, Banda Fruto Sensual, Mahrco Monteiro, Banda Xeiro Verde,  Lia Sophia, Liah SoaresViviane Batidão, Juninho Pop e Grupo de Dança Trilhas da Amazônia. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *