A sesquicentenária samaumeira que perdeu seus galhos na madrugada desta segunda-feira (6) é memória afetiva de todos os paraenses e até de gente de fora do Pará e do Brasil que frequenta Belém durante o Círio de Nazaré. Localizada em…

O Tribunal Regional Eleitoral do Pará oficializou o resultado da eleição suplementar em Viseu 39 minutos após o encerramento da votação. Foi eleito prefeito Cristiano Vale (nº 11 – PP – Voltando pra Cuidar da Gente) e vice-prefeito Mauro da…

Nem bem foi inaugurado, e ainda faltando a instalação dos bancos e finalização, o calçadão da Avenida Beira-Mar, em Salinópolis, sofreu diversas avarias. A Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Obras acionou a empresa responsável pela obra, que está executando ações…

A expectativa era grande em relação à ida do governador Helder Barbalho à Assembleia Legislativa para a leitura da Mensagem na instalação da 61ª Legislatura. Funcionou como uma espécie de termômetro da Casa, que abriga novos deputados na oposição, e…

Aras diz que Comunicação é tema de segurança nacional

O procurador-geral da República e presidente do Conselho Nacional do Ministério Público, Augusto Aras, reconheceu que, ao menos em relação ao MPF, há um desequilíbrio na distribuição da força de trabalho institucional entre as regiões do país, com vantagem para Sudeste, Sul e Centro-Oeste. Por isso, frisou a necessidade de que ocorra uma equiparação. Aras solicitou ao ministro das Comunicações, Fábio Farias, a adoção de providências para dotar a Amazônia de rede celular compatível com as necessidades das Forças Armadas, das Forças de Segurança Pública, dos órgãos que integram o sistema de justiça e de todos os cidadãos da região. “Comunicação é tema de segurança nacional”, frisou.

O PGR anunciou cinco novas Procuradorias do Ministério Público Militar na região amazônica, uma delas em Roraima, já criada e que falta ser instalada, e a implementação de escritórios de representação do Ministério Público Federal com a lotação de servidores. “Não abriremos mão da defesa da Amazônia. O Ministério Público estará lá fortalecendo a nossa gestão,” salientou.

O presidente do CNMP esteve na Amazônia na semana passada, conversou com membros dos Ministérios Públicos Federal e estadual e com integrantes do Exército, da Marinha, da Polícia Federal, da Funai e autoridades locais responsáveis pela investigação. E garantiu a apuração da existência de eventual organização por trás dos assassinatos de Bruno Pereira e Dom Phillips. As investigações se estendem, também, ao caso do funcionário da Funai Maxciel dos Santos, outra execução na mesma região e até agora não esclarecida.

Augusto Aras foi à região acompanhado pela subprocuradora-geral da República e coordenadora da 6ª Câmara de Coordenação e Revisão do MPF, Eliana Torelly, especializada na área de populações indígenas, quilombolas e comunidades tradicionais; do subprocurador-geral da República e coordenador da 2ª CCR, Carlos Frederico Santos, que trata da área criminal; e do procurador federal dos direitos do cidadão, Carlos Vilhena. O PGR disse esperar que a Polícia Federal conclua as investigações em vinte dias, quando será possível avaliar a necessidade de ser instituída comissão para a continuidade dos trabalhos. Ele oficiou à PF, mostrando a necessidade de aprofundamento das investigações, à Funai e a autoridades militares. “Estou aguardando visita do presidente da Funai para discutirmos meios de fortalecimento dessa instituição”.

Em audiência com o governador do Amazonas, Aras pediu o deslocamento de contingente da Polícia Militar para Tabatinga e Atalaia do Norte para dar segurança às autoridades do sistema de justiça e aos cidadãos, “tendo em vista a preocupação do CNMP para que os episódios não se repitam. “Não podemos impedir ilícitos, mas podemos punir os culpados”, acentuou.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *