Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Na quarta-feira passada, dia 24, a audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal, em Brasília, era para discutir a gravíssima situação na Terra Indígena Yanomami, mas o clima de enfrentamento entre bolsonaristas e lulistas inviabilizou…

O prefeito Edmilson Rodrigues anunciou que Belém tem condições de fazer o Carnaval 2022, após reunião hoje (25) à tarde com representantes das escolas de samba e blocos carnavalescos. Ele acredita que com mais de 80% de pessoas vacinadas contra…

Aproveitamento múltiplo dos recursos hídricos

O aproveitamento energético associado
ao uso múltiplo da água, com a construção de eclusas simultaneamente às usinas
hidrelétricas, de modo a permitir a navegação e o surgimento de incontáveis
negócios e geração de emprego e renda, com o devido cuidado ambiental, está
sendo defendido pelo presidente da Alepa, deputado Márcio Miranda(DEM), que vai
liderar um amplo debate sobre a questão, que está na ordem do dia,
principalmente agora que, além da construção da UHE-Belo Monte, estão previstas
novas barragens nos rios Tapajós e Teles Pires.
Para viabilizar a hidrovia Tapajós-Teles Pires, com
a construção simultânea de 14 eclusas com as cinco hidrelétricas previstas para
o rio Teles Pires, seriam necessários R$ 6,1 bilhões em investimentos. A
estimativa está em estudo preliminar do Mato Grosso.
As eclusas garantiriam a passagem de barcos onde há
desníveis, tornando os 1.883 Km navegáveis, ligando o Norte de Mato Grosso ao
Pará. O estudo aponta o custo de R$ 4,5 bilhões para a construção de sete
eclusas em hidrelétricas (onde é gerada energia elétrica com a passagem de água
por turbinas hidráulicas), três no rio Tapajós e quatro no rio Teles Pires.
Para a construção das outras sete eclusas sem hidroeletricidade, uma no Tapajós
e seis no Teles Pires, precisariam ser investidos R$ 885 milhões.
Ainda segundo as estimativas do estudo, teriam que
ser investidos R$ 60 milhões no desmonte de rochas a seco, nos remansos dos
reservatórios, mais R$ 350 milhões para a remoção das rochas e R$ 70 milhões
para a limpeza, além de R$ 200 milhões para abertura de canais de navegação
fora dos leitos dos rios e R$ 20 milhões para sinalização.
Após a concretização da obra, R$ 20 milhões teriam
que ser investidos anualmente na manutenção da hidrovia (800 Km no rio Tapajós
e 1.083 Km no Teles Pires), e R$ 30 milhões na manutenção das eclusas. O estudo
revela que quatro eclusas seriam construídas no rio Tapajós e dez no Teles
Pires.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *