“A Prefeitura de Belém, por meio da Comissão de Defesa Civil de Belém, informa que realizou vistoria técnica no bloco B do imóvel localizado na avenida Presidente Vargas, 762, no dia 11 de fevereiro, às 9h, em conjunto com representantes…

DEM e PSL ainda nem consumaram a fusão, prevista para outubro deste ano, mas a briga já é de foice. O ex-presidente do Senado Davi Alcolumbre e o ex-prefeito de Salvador ACM Neto duelam nos bastidores pelo comando do novo…

Um pastor de igreja evangélica localizada no município de Breves, no arquipélago do Marajó, foi condenado a 39 anos de prisão por estupro de vulnerável, exploração sexual e por possuir e armazenar pornografia infantil, com o agravante de que ele…

Acionado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, o Ministério Público Federal recomendou ao prefeito de Belém, Edmilson Rodrigues, medidas efetivas para que os responsáveis pelo edifício conhecido como Bloco B da Assembleia Paraense assegurem a manutenção emergencial do…

Aplausos ao Programa Trabalho, Justiça e Cidadania

O Ouvidor Geral da Alepa e presidente da Comissão de Constituição e Justiça, deputado Raimundo Santos(PEN), requereu votos de aplausos e louvor à coordenadora do Programa Trabalho, Justiça e Cidadania, juíza Zuíla Lima Dutra, e ao vice-coordenador, juiz Océlio Morais,  à Associação dos Magistrados Trabalhistas da 8ª Região – Amatra 8, através de seu presidente, juiz Antonio Oldemar Coêlho dos Santos, e vice-presidente, juiz Carlos Zahlouth Jr.; e à Associação Nacional dos Magistrados do Trabalho (Anamatra), por seu presidente, juiz Paulo Luiz Schmidt,  pela defesa dos direitos humanos e melhoria das condições sociais das comunidades mais carentes, através do trabalho solidário e voluntário de seus integrantes.


Requereu, também, que fique registrado nos Anais da Casa o justo reconhecimento ao Programa Trabalho, Justiça e Cidadania, que só este ano já beneficiou 2 mil estudantes em Belém do Pará.



Dando exemplo de como o Judiciário pode se comunicar com a
sociedade, especialmente a juventude, os juízes trabalhistas voluntários vão às
escolas interagir com os alunos e têm conseguido a adesão de advogados,
professores, pedagogos, psicólogos e assistentes sociais, que difundem
conhecimentos acerca dos direitos básicos garantidos na Constituição Federal,
notadamente os dos trabalhadores e os meios de acesso real à Justiça.



Professores e alunos da rede pública,
preferencialmente, compõem o público-alvo, recebendo noções de direitos
fundamentais, direito do trabalho, direito previdenciário, direito da criança e
do adolescente, direito do consumidor, direito penal, ética e cidadania nas
escolas, em especial as públicas. O
atendimento
inclui grupos de adolescentes que cumprem medidas socioeducativas (entre 13 e
16 anos), crianças entre 8 e 10 anos que já viveram a experiência de pedir
esmolas nas ruas; e jovens do Projeto Pequeno Aprendiz da Escola de Emaús.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *