A expectativa era grande em relação à ida do governador Helder Barbalho à Assembleia Legislativa para a leitura da Mensagem na instalação da 61ª Legislatura. Funcionou como uma espécie de termômetro da Casa, que abriga novos deputados na oposição, e…

Foram empossados hoje na Assembleia Legislativa do Pará os 41 deputados estaduais eleitos para a 61ª Legislatura (2023-2027). Em seguida houve eleição para a Presidência e a Mesa Diretora, em chapa única, tendo sido reeleito praticamente à unanimidade – por…

O governador Helder Barbalho está soltando a conta-gotas os nomes dos escolhidos para compor o primeiro escalão de seu segundo governo. Nesta quarta-feira será a posse dos deputados estaduais e federais e dos senadores, e a eleição para a Mesa…

Pela primeira vez na história, está em curso  um movimento conjunto da Academia Paraense de Letras, Academia Paraense de Jornalismo, Instituto Histórico e Geográfico do Pará e Academia Paraense de Letras Jurídicas, exposto em ofício ao governador Helder Barbalho, propondo…

Apae Belém precisa de ajuda para manter serviços

Em quase sessenta anos de existência, a Apae Belém já encarou diversos desafios, superados com muita dedicação, solidariedade e generosidade. Atualmente, a instituição enfrenta dificuldades que afetam diretamente o atendimento. As doações diminuíram muito em razão da pandemia. Recentemente, o deputado Igor Normando visitou a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais de Belém e conversou com o presidente da entidade, Emanoel Ó de Almeida, e sua equipe, sobre os projetos focando na capacitação e cultura de pessoas com deficiência intelectual e múltipla e autismo, de todas as faixas etárias, desde o recém-nascido até aquelas em processo de envelhecimento. Na ocasião, o parlamentar ficou sensibilizado com as necessidades e reafirmou seu compromisso de trabalhar pela causa.

Fundada em 30 de novembro de 1962 por um grupo de pais, amigos e profissionais, a Apae Belém tem natureza jurídica privada e de caráter socioassistencial, e é reconhecida por lei de utilidade pública federal, com registro no Conselho Nacional de Assistência Social e filiada à Federação das Apaes do Estado do Pará e à Federação Nacional das Apaes.

Com atendimento humanizado e foco no fortalecimento de vínculos familiares, a Apae Belém oferece acolhida diferenciada no atendimento psicossocial, e em escuta individualizada, reuniões e rodas de conversa, desenvolve relações de afetividade, solidariedade e respeito mútuo, além de oportunizar o debate e momentos de reflexão acerca dos direitos da pessoa com deficiência. O resultado é o maior envolvimento das famílias na comunidade, além da autonomia e autogestão dos pacientes.

Começou a valer a partir de 1º de janeiro deste ano a nova Classificação Internacional de Doenças – a CID-11, anunciada pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Na prática, significa a possibilidade de acompanhar a incidência dos mais diversos tipos de doenças e transtornos e seus tratamentos. As principais mudanças relacionadas à saúde na infância estão na classificação de casos de autismo, que permitem uma assistência mais individualizada aos pacientes. O que muda basicamente sobre o autismo é que a CID passa a considerar o nível intelectual e a linguagem de cada criança. Antes, essa classificação era mais genérica, o que não permitia individualizar o diagnóstico e, portanto, o tratamento. Agora, cada perfil será analisado de acordo com sua particularidade.

A individualização é importante para que as crianças tenham garantidos os seus direitos a terapias mais específicas. Isso pode mudar a assistência, e o tipo de terapia que o convênio deve cobrir, o número de sessões, por exemplo. O código certo garante assistência adequada.

O Programa de Autogestão e Autodefensoria implantado pela Apae Belém favorece o desenvolvimento dos alunos em diferentes aspectos, para que alcancem sua autogestão e consigam realizar seus deveres e a autodefesa de direitos, tornando-se cidadãos conscientes e ativos. Para tanto, são oferecidas orientações e atividades que possibilitam a eles a construção de conhecimentos e habilidades para o exercício da autonomia, promovendo participação em diferentes contextos sociais, a fim de lhes possibilitar experiências reais de vida em que possam fazer escolhas, expressar ideias, desejos, manifestar-se por meio de diferentes linguagens, exercendo sua cidadania.

O autodefensor tem a função de defender os interesses dos demais colegas da Apae, sugerindo ações de aperfeiçoamento. Funciona como porta-voz de seus companheiros diante à diretoria da instituição e à sociedade. Atualmente, a Apae Belém tem como autodefensores titulares Kassyo Matheus e Yasmin Tenório, e Silvana Pinheiro e Romeu Neto como Autodefensores Suplentes. A eleição acontece a cada dois anos.

Quem puder contribuir com a Apae Belém pode acessar a vaquinha virtual aqui.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *