O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Antes que o prédio tombado caia

Atendendo pedido do MPF-PA, em ação civil pública  ajuizada em abril deste ano pelo procurador da República Bruno Araújo Soares Valente, o juiz federal Rafael Lima da Costa determinou ao proprietário de um imóvel localizado no centro histórico de Belém medidas urgentes para evitar o desabamento da estrutura do prédio. A ruína da estrutura pode comprometer o Conjunto Nossa Senhora do Carmo, que compreende a Igreja e Convento de Nossa Senhora do Carmo, Capela da Ordem Terceira e Palácio Velho, tombados pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. 

O imóvel fica na rua Major Joaquim Távora, nº 115/119, na Cidade Velha.
A liminar levou em consideração os relatórios e fotografias produzidos a partir de diversas vistorias realizadas pelo Iphan entre 2009 e 2013, mostrando que os serviços já realizados para a estabilização do imóvel não são suficientes para evitar a continuidade da degradação da edificação.
“Vale frisar que a possibilidade de arruinamento da estrutura é um risco não apenas para a eficácia da decisão final, como também para estrutura de imóveis vizinhos e para a vida e integridade física dos moradores destes e das pessoas que trafegam pela via pública”, argumenta o juiz. 

O início das obras deve ser imediato e a comprovação das providências pela proprietária no prazo de dez dias, sob pena de multa diária. Veja aqui a íntegra da liminar do processo nº 0010599-16.2013.4.01.3900, que tramita na 1ª Vara Federal em Belém. E faça o acompanhamento processual aqui.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *