Membro da Academia Brasileira de Ciências Contábeis (Abracicon), a professora doutora Leila Márcia Elias participou recentemente do Congresso Internacional de Contabilidade da Universidade de São Paulo. Como parte da programação do Núcleo de Contabilidade e Meio Ambiente da USP, que…

Shäron Moalem, médico que ficou conhecido mundialmente por prever no começo da pandemia da Covid-19 que mais homens morreriam vítimas do vírus do que mulheres, diz que o sexo feminino é mais forte que o masculino quanto à sobrevivência, assim…

No período de 10 a 28 de agosto, o navio-hospital-escola Abaré começa nova expedição, oferecendo a 75 comunidades do rio Tapajós nos municípios de Santarém, Aveiro e Belterra serviços de atenção básica à saúde: consultas médicas, odontológicas e de enfermagem,…

O IV Distrito Naval da Marinha do Brasil ativou nesta quarta-feira (4), o Grupo de Embarcações de Operações Ribeirinhas do Norte uma nova Organização Militar em Belém (PA), com propósito de contribuir para a aplicação do Poder Naval na área…

Altamira desmatou mais de 158 Km2

No documento “Alertas de desmatamento no Estado do Pará (setembro de 2013 a maio de 2014)”, o Instituto de Desenvolvimento Econômico, Social e Ambiental do Pará (IDESP) aponta situação da maior gravidade: depois de quatro anos consecutivos de queda nos incrementos de desmatamento da Amazônia Legal (2009-2012), os dados do ano de 2013 (PRODES) registraram aumento de 28% em relação aos de 2012, com destaque para o Estado do Pará, com 2.379 Km² de área desmatada, o que representa 40,72% dos 5.843 Km² do total identificado na região.

Os alertas de desmatamento foram detectados em 39 municípios do Pará. Mas 75% da área desmatada se concentram em cinco municípios, com destaque para Altamira, Novo Progresso e Itaituba, com 158,39 Km2, 62,61 Km2 e 30,49 Km², respectivamente. São Félix do Xingu contribui com 8,85 Km2 e Cumaru do Norte com 8,65 Km2. Esses municípios desmatadores ocuparam as mesmas posições no ranking do período 2012/2013. Como se observa, Altamira é campeoníssimo, um escândalo.

O levantamento destaca que o Pará tem características que o tornam ainda mais vulnerável frente ao processo de desmatamento: o fato de 66% do seu território estar sob jurisdição federal através de glebas federais, assentamentos da reforma agrária, unidades de conservação e terras indígenas, o que obriga o Estado a depender de instituições como Incra, ICMBio, Funai e Ibama para a efetiva gestão territorial.

A fragilidade destas instituições tem concorrido para que muitos desses territórios abranjam grande parte do desmatamento identificado. A maior parte dos focos de alerta de desmatamento está em terras públicas arrecadadas pela União, denominadas glebas federais. A questão é agravada pela atuação ilegal de madeireiros e grileiros que derrubam a floresta e se apropriam de grandes lotes de terra.

Leiam a íntegra do relatório do Idesp aqui.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *