Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Na quarta-feira passada, dia 24, a audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal, em Brasília, era para discutir a gravíssima situação na Terra Indígena Yanomami, mas o clima de enfrentamento entre bolsonaristas e lulistas inviabilizou…

O prefeito Edmilson Rodrigues anunciou que Belém tem condições de fazer o Carnaval 2022, após reunião hoje (25) à tarde com representantes das escolas de samba e blocos carnavalescos. Ele acredita que com mais de 80% de pessoas vacinadas contra…

Em 17 de dezembro de 1999, a Assembleia Geral das Nações Unidas designou o 25 de novembro Dia Internacional da Eliminação da Violência contra a Mulher. Passados 22 anos, os dados do 14° Anuário Brasileiro de Segurança Pública são aterrorizantes: por…

Alô, governadora!

É grave a crise na Orquestra Sinfônica do Theatro da Paz. Na semana passada, o maestro Enaldo Oliveira pediu demissão. Além do salário muito aquém dos músicos integrantes de outras orquestras congêneres no Brasil, com o teatro interditado, ninguém providenciou sequer espaço para ensaio e até mesmo para guardar os instrumentos.

Para a apresentação do Réquiem de Encomendação de Almas, de Luiz Pardal, por exemplo, os músicos tinham que se dividir em grupos porque não cabiam na salinha que eles conseguiram no Mabe- Museu de Arte de Belém, nos ensaios.

Muitos integrantes deixaram a OSTP nos últimos anos – preferiram se dedicar ao ensino e tocar em casamentos e outros eventos sociais, que oferecem melhor remuneração. Quando há concerto, são muitas as contratações de músicos de fora da orquestra.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *