Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Na quarta-feira passada, dia 24, a audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal, em Brasília, era para discutir a gravíssima situação na Terra Indígena Yanomami, mas o clima de enfrentamento entre bolsonaristas e lulistas inviabilizou…

O prefeito Edmilson Rodrigues anunciou que Belém tem condições de fazer o Carnaval 2022, após reunião hoje (25) à tarde com representantes das escolas de samba e blocos carnavalescos. Ele acredita que com mais de 80% de pessoas vacinadas contra…

Alepa fez audiência pública sobre uso de drogas

O Conselho Estadual sobre Drogas do Pará (Coned) começou a discutir o porte de drogas para uso pessoal e seu dirigente, Walmir Gomes, pediu o apoio da Alepa para ampliar o debate com a participação da sociedade. É que tramita no Supremo Tribunal Federal o Recurso Extraordinário nº 635659, em que é questionada a constitucionalidade do artigo 28 da lei nº 11.343, que classifica como crime o porte de entorpecentes para consumo pessoal. Ouvidor da Casa e presidente da Comissão de Constituição e Justiça, o deputado Raimundo Santos realizou audiência pública sobre o tema. 

Para o professor de direito penal e advogado criminalista Adrian Silva, representante da OAB-PA no evento, o dispositivo contraria o princípio da intimidade e vida privada, já que portar drogas para uso próprio não implica lesividade, uma vez que não causa lesão a bens jurídicos alheios. “A criminalização do uso de drogas é inconstitucional. O Direito Penal não está preocupado com a autolesão”, defendeu, afirmando, ainda, que 25% das prisões no Brasil envolvem o consumo de drogas, mas que isso deve ser tratado como um problema de saúde pública e direitos humanos e não matéria penal. “Que o problema das drogas seja cuidado por outros mecanismos e o não o Direito Penal. Na lei, não existem parâmetros para definir o que são usuários e o que são traficantes”, pontuou. 

Já o psicólogo Nelcy Colares, que preside o Conselho Municipal de Entorpecentes (Comen), expôs posicionamento oposto. Para ele, a descriminalização do uso de drogas só traz malefícios para a sociedade. “O legislador tem que analisar como um todo o contexto social, não apenas os aspectos legais e constitucionais. Quando a Anvisa proíbe o uso de alguma substância é baseada em dados técnicos”, avaliou.
Nelcy apontou aspectos históricos do uso de drogas e sua proibição, além de consequências do abuso e dependência de drogas, como transtornos mentais, problemas de saúde pública, e envolvimento em acidentes de trânsito. “Para viver em sociedade, não é justo pensar em seu próprio prazer”, observou.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *