Evellyn Vitória Souza Freitas nasceu no chão do banheiro do Hospital Municipal de Portel, município do arquipélago do Marajó (PA), no dia 28 de julho de 2021, por volta das 8h da manhã, prematura de 28 semanas e dois dias, pesando 1Kg e 39…

Vanete Oliveira, a jovem marajoara de 28 anos e mãe de cinco filhos que sofre há catorze anos com um tumor enorme em um dos olhos, que lhe cobre quase a metade da face, já está internada no Hospital Ophir…

Equipes da Divisão de Homicídios e da Delegacia de Repressão de Furtos e Roubos estavam monitorando há um mês o grupo criminoso que planejava roubar em torno de R$ 1 milhão no caixa eletrônico do Banpará localizado dentro do Hospital…

Vanete Oliveira, 28 anos, mãe de cinco filhos, vive em Portel, município do arquipélago do Marajó(PA). Ela sofre há catorze anos dores atrozes além do desconforto, trauma e todo tipo de dor física e psicológica, por conta de um tumor…

Advogado suspenso pela Justiça Federal

Atendendo pedido do Ministério Público Federal, no processo nº 343-22.2015.4.01.3907o, o juiz federal Heitor Moura Gomes, de Tucuruí, suspendeu o exercício da advocacia a Henrique Bona Neto, suspeito de fraudes em ações judiciais que requisitam benefícios da Previdência Social, até que sejam concluídas as investigações sobre a sua conduta. Dois procedimentos apuratórios estão em curso pelo MPF e, durante essas investigações, surgiram indícios de novas fraudes em pelo menos outros seis processos previdenciários.
O advogado, vejam só, é o coordenador do Procon de Tucuruí. 

Ao tentar reverter a suspensão, Henrique Bona Neto informou ao juiz que estava entrando em contato com as testemunhas que o acusam de fraude – clientes em processos previdenciários. Por isso, ele foi ainda proibido de qualquer contato com partes e testemunhas dos casos em que é investigado, sob pena de ser acusado de coação.

Foi na própria Justiça Federal em Tucuruí que autores de dois processos previdenciários informaram a existência de fraudes documentais cometidas pelo advogado. Trata-se de aposentadorias para trabalhadores rurais, pescadores e pensões por morte. Em todos os casos, os peticionantes são pessoas pobres.
Em alguns processos, as pessoas entraram com os pedidos, por meio do serviço que a Justiça oferece gratuitamente e que dispensa a contratação de advogado. Mas, segundo o MPF, a perita judicial é a companheira do advogado e então ele solicitava o ingresso no feito, na condição de patrono, o que lhe asseguraria percentual a título de honorários no final dos processos. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *