A empresa de ônibus Belém-Rio, que faz a linha para o distrito de Outeiro – Ilha de Caratateua, em Belém, aparentemente está falida e reduziu pela metade a sua frota, causando enorme sofrimento aos usuários do transporte coletivo. O serviço,…

A Cosanpa abriu nada menos que seiscentos buracos imensos nos bairros mais movimentados de Belém, infernizando a vida de todo mundo com engarrafamentos e causando graves riscos de acidentes, principalmente porque chove sempre, e quando as ruas alagam os buracos…

O Procurador-Geral de Justiça César Mattar Jr. inaugurou nesta quinta-feira, 16, o Núcleo Eleitoral do Ministério Público do Estado do Pará, que vai funcionar na sede das Promotorias de Justiça de Icoaraci, distrito de Belém. O coordenador será o promotor…

A desembargadora Maria de Nazaré Saavedra Guimarães, que se destaca pelo belo trabalho que desenvolve à frente da Comissão de Ações Judiciais em Direitos Humanos e Repercussão Social do Tribunal de Justiça do Estado do Pará, e que já coordenou…

Administrador da Celpa não quer ser fiscalizado

Pedindo efeito suspensivo, o promotor de justiça de Tutela das Fundações e Entidades de Interesse Social, Falência, Recuperação Judicial e Extrajudicial, Sávio Rui Brabo de Araújo, interpôs Agravo de Instrumento à decisão da juíza da 13ª Vara Cível de Belém, que extinguiu o Comitê de Credores da Rede Celpa, à revelia da Assembleia Geral de Credores. 


Em fevereiro de 2012, a Centrais Elétricas do Pará – Celpa, pediu Recuperação Judicial (processo nº005939-47.2012.814.0301).
Em setembro do mesmo ano a Assembleia Geral de Credores aprovou, por unanimidade, o plano de recuperação judicial  e no ato constituiu o Comitê de Credores. Pois em 19.12.2013, último dia antes do início do recesso forense, a Celpa peticionou ao Juízo requerendo a extinção do referido Comitê, alegando – vejam só! – que não havia sido legalmente constituído, devido à conduta desidiosa dos credores trabalhistas e quirografários.
Em decisão interlocutória, a juíza em exercício entendeu por bem acatar o pedido, sem a oitiva do Ministério Público e da própria Assembleia Geral de Credores. 



Tal decisão, de acordo com o promotor de Justiça Sávio Brabo, além de “contrariar, no mínimo, dezessete dispositivos legais da Lei de Falência, deixa tanto a empresa devedora quanto o administrador judicial livres da obrigação legal e moral de prestar contas das suas atividades na Ação Recuperacional, que tem manifesto interesse público“. 


Alerta o promotor: “a manutenção da decisão prolatada acarretará grave lesão econômica ao consumidor paraense que será penalizado, mais uma vez, pela Empresa Agravada porque, além de arcar com os custos da baixa qualidade dos serviços de distribuição de energia elétrica oferecidos pela mesma, o consumidor paraense também arcará com os eventuais prejuízos econômicos causados pela ausência de fiscalização das contas atuais da Empresa devedora.” 


O MPE-PA requereu a nulidade da decisão e o restabelecimento do Comitê de Credores, erroneamente extinto, para que possa cumprir o seu papel legal de fiscalizar as atividades da Celpa.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *