A expectativa era grande em relação à ida do governador Helder Barbalho à Assembleia Legislativa para a leitura da Mensagem na instalação da 61ª Legislatura. Funcionou como uma espécie de termômetro da Casa, que abriga novos deputados na oposição, e…

Foram empossados hoje na Assembleia Legislativa do Pará os 41 deputados estaduais eleitos para a 61ª Legislatura (2023-2027). Em seguida houve eleição para a Presidência e a Mesa Diretora, em chapa única, tendo sido reeleito praticamente à unanimidade – por…

O governador Helder Barbalho está soltando a conta-gotas os nomes dos escolhidos para compor o primeiro escalão de seu segundo governo. Nesta quarta-feira será a posse dos deputados estaduais e federais e dos senadores, e a eleição para a Mesa…

Pela primeira vez na história, está em curso  um movimento conjunto da Academia Paraense de Letras, Academia Paraense de Jornalismo, Instituto Histórico e Geográfico do Pará e Academia Paraense de Letras Jurídicas, exposto em ofício ao governador Helder Barbalho, propondo…

Adeus a Walmir Botelho


Foto Raimundo Dias
O jornalista Walmir Botelho D’Oliveira, ex-diretor de redação do jornal O Liberal, se foi, ontem. Falar de sua perda remete ao seu jeito monossilábico de ser. Muitas vezes me agoniei ao telefone com seu “hum”, que não passava disso nem dava indicação alguma se era de assentimento ou discórdia. Pessoalmente, também era de poucas palavras. Nos conhecemos há um bocado de tempo, mais de 20 anos, e nosso relacionamento era profissional, eu como assessora de comunicação tentando emplacar matérias ou notas, sugerindo pautas. Sempre me recebeu muito bem, em todas as vezes em que o visitei na redação. Até me dava cafezinho e conversava sobre assuntos variados. Walmir era temido pelos focas na redação, por seu rigor. Mas sem dúvida sempre foi respeitado e admirado por todos, por sua capacidade profissional. Liderando uma equipe numerosa em uma época em que não havia a ligeireza da internet, com as suas facilidades para transmissão de informação, a luta diária com quilômetros de matérias via fax, as horas ao telefone em busca de notícias quentes, a sondagem às fontes, as madrugadas no fechamento das edições, Walmir Botelho marcou um tempo no jornalismo. Oriundo do Correio Braziliense e da Folha do Norte, ele fez de O Liberal seu último front. Todos os colegas que trabalharam com ele são unânimes no testemunho à sua seriedade, competência, responsabilidade, ao seu amor ao jornalismo. Dou também meu testemunho, com o sentimento de perda de uma pessoa de grande valor. Adeus, Walmir! Vai em paz, que Deus te receba na eternidade e conforte tua família.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Participe da discussão

2 comentários

  1. Meu pai sempre foi assim mesmo. Mesmo em casa, ou nas poucas vezes em que conversamos. Até minha avó reclamou disso, certa vez, quando lhe telefonou para falar qualquer coisa, de Maracanã. Era um misto de amor e rispidez. Quando o seu irmão faleceu, foi como se uma das pernas quebrasse, a ausência foi fortemente sentida.
    Antes de partir, andava muito triste. Nos últimos dias, mudou-se para o lado de casa, como se pressentisse a despedida. Hoje eu acredito que ele estava vivendo um tempo de solidão. Se eu tivesse uma máquina do tempo, as coisas seriam diferentes. E tenho certeza de que ele ainda não teria nos deixado.

    1. Muito obrigada por seu sensível depoimento. O Walmir era pessoa muito querida e respeitada por todos os que o conheceram. Guarde as melhores lembranças de seu pai. Grande abraço.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *