Barcos regionais a motor, veleiros, vigilengas, rabetas, bajaras, canoas ubás, igarités, catraias, botes fazem parte da memória afetiva, produtiva e econômica parauara, navegando pelo oceano Atlântico, baías, rios que mais parecem mares, lagos, igarapés, furos, estreitos, igapós e campos alagados…

Embora o Quartel Tiradentes esteja localizado no coração do bairro do Reduto, sediando o 2º BPM e duas Companhias da Polícia Militar do Pará, os meliantes parecem desafiar abertamente os policiais. Os assaltos no bairro continuam muito frequentes, principalmente no…

Douglas da Costa Rodrigues Junior, estudante de Letras - Língua Portuguesa da Universidade Federal do Pará e bolsista do Museu Paraense Emílio Goeldi, ganhou a 18ª edição do Prêmio Destaque na Iniciação Científica e Tecnológica na área de Ciências Humanas…

O Ministério Público do Trabalho PA-AP abrirá na segunda-feira inscrições para Estágio de Nível Superior. A seleção será destinada ao preenchimento de vagas e formação do quadro de reserva de estagiários dos cursos de Administração/Gestão Pública, Biblioteconomia, Direito, Jornalismo, Publicidade/Propaganda…

Adeus a Walmir Botelho


Foto Raimundo Dias
O jornalista Walmir Botelho D’Oliveira, ex-diretor de redação do jornal O Liberal, se foi, ontem. Falar de sua perda remete ao seu jeito monossilábico de ser. Muitas vezes me agoniei ao telefone com seu “hum”, que não passava disso nem dava indicação alguma se era de assentimento ou discórdia. Pessoalmente, também era de poucas palavras. Nos conhecemos há um bocado de tempo, mais de 20 anos, e nosso relacionamento era profissional, eu como assessora de comunicação tentando emplacar matérias ou notas, sugerindo pautas. Sempre me recebeu muito bem, em todas as vezes em que o visitei na redação. Até me dava cafezinho e conversava sobre assuntos variados. Walmir era temido pelos focas na redação, por seu rigor. Mas sem dúvida sempre foi respeitado e admirado por todos, por sua capacidade profissional. Liderando uma equipe numerosa em uma época em que não havia a ligeireza da internet, com as suas facilidades para transmissão de informação, a luta diária com quilômetros de matérias via fax, as horas ao telefone em busca de notícias quentes, a sondagem às fontes, as madrugadas no fechamento das edições, Walmir Botelho marcou um tempo no jornalismo. Oriundo do Correio Braziliense e da Folha do Norte, ele fez de O Liberal seu último front. Todos os colegas que trabalharam com ele são unânimes no testemunho à sua seriedade, competência, responsabilidade, ao seu amor ao jornalismo. Dou também meu testemunho, com o sentimento de perda de uma pessoa de grande valor. Adeus, Walmir! Vai em paz, que Deus te receba na eternidade e conforte tua família.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *