Em reunião conjunta das Comissões de Fiscalização Financeira e Orçamentária (CFFO) e de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa, nesta segunda-feira (18) foi aprovado o projeto de lei nº 363/2021, que autoriza o Governo do Pará a contratar operação…

Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

Aprovado à unanimidade pela Assembleia Legislativa, o projeto de lei nº 245/2021, de autoria do Poder Executivo, dispondo sobre a denominação do Arquivo Público do Estado do Pará, em homenagem ao jurista e professor paraense Zeno Augusto de Bastos Veloso,…

Adeus a Paulinho Fonteles

Hoje é um dia triste. Meu coração está trêmulo, apertado, em busca de consolo na esperança que sempre deve nos amparar. 

Lamento muitíssimo, do fundo do meu coração, informar o falecimento do meu querido amigo Paulo Fonteles Filho, hoje cedo. O velório será no hall principal da Assembleia Legislativa, a partir das 11h, e o sepultamento amanhã, no cemitério de Santa Isabel, ainda sem hora definida.

Paulinho foi diagnosticado na quinta-feira, dia 6 de outubro, com broncopneumonia. Iniciou de imediato a medicação com antibióticos mas no sábado (7) acordou às 23h com insuficiência respiratória. Foi levado por sua esposa, Angelina Anjos, para o hospital Porto Dias, onde, entubado, ficou internado na UTI, em coma induzido. No dia 13, tentaram a extubação mas não foi possível. Paulo sofreu edema pulmonar e no dia 14 foi realizada uma traqueostomia. No 11º dia de UTI ele teve pequena melhora, conseguia se comunicar. Mas seu estado voltou a se agravar e nesta madrugada não resistiu a um infarto.

Paulinho era filho do advogado e ex-deputado estadual Paulo Fonteles, fundador da Sociedade Paraense de Defesa dos Direitos Humanos, que sobreviveu à prisão política e torturas durante a ditadura militar, à guerrilha do Araguaia e foi assassinado no dia 11 de junho de 1987. Sua mãe, a socióloga Hecilda Veiga, foi presa grávida e ele nasceu em pleno cárcere. 

Não tenho palavras para descrever minha emoção e profunda tristeza por ter perdido os dois amigos, pai e filho. Como o pai, Paulinho Fonteles viveu intensamente. Em seu último post nas redes sociais, escreveu que a doença era “resultado de muito trabalho, madrugadas de estudo e escrita, boemia, luta pela memória, viagens longas e um tabagismo que necessita ser encerrado.” Concluiu assim: “Não tocarei um tango argentino, não nos próximos 30 anos.”  E postou “Pneumotórax”, de Manuel Bandeira, cuja morte completava 43 anos naquele dia. Cliquem aqui para assistir ao vídeo no YouTube.

Que Deus te receba em paz, na luz eterna, Paulinho! Que conforte o coração de Angelina, de teus filhos, tua mãe e teus irmãos, e os fortaleça. Tua memória estará sempre viva entre nós.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *