O presidente da Assembleia Legislativa do Pará, deputado Chicão, foi aclamado ontem por servidores e deputados após a sessão plenária, que se estendeu até as 15h, ao entregar os espaços reformados que já estão prontos para utilização. É que, em…

O delegado de polícia de Oriximiná, Edmílson Faro, prendeu o vigia Ailton Ferreira da Silva a pedido do presidente da Câmara Municipal, vereador Marcelo Andrade Sarubi (PSDB) e do vereador Márcio Canto (PTB) e, na presença de ambos e do…

Primeira do Brasil totalmente focada na educação para o trânsito, a biblioteca do Detran-PA foi criada em 1998 e começou direcionada ao público interno, funcionando no antigo prédio do órgão, ao lado da Ceasa. Em 1º de novembro de 1999,…

A Prefeitura de Belém vai revitalizar dezesseis imóveis do município que estão há anos em situação de abandono. Além do resgate do patrimônio histórico, artístico e cultural, a intenção é reduzir gastos com aluguéis de prédios que abrigam órgãos municipais.…

Açaí com farinha e papel higiênico

Fotos: GTI – Grupo Técnico Interdisciplinar
Deem uma olhada na imundície que a ação conjunta do MPE-PA, Delegacia do Consumidor, Procon, Guarda Municipal e Departamento de Vigilância Sanitária de Belém flagrou hoje de manhã em quatro estabelecimentos que estariam misturando farinha de mandioca, farinha de tapioca, corantes e outros produtos no açaí que comercializam.
Durante a fiscalização, dois pontos de venda foram interditados nos bairros do Guamá e Terra Firme: o “Açaí do Pará”, onde não havia condições básicas de higiene e o “Açaí da Olaria”, onde se constatou o uso da mistura de farinha – pasmem!  – com papel higiênico. Os envolvidos foram parar na delegacia de polícia e o material apreendido será avaliado pelo Centro de Perícias Científicas Renato Chaves. As irregularidades encontradas eram várias: falta de registro da Vigilância Sanitária, não utilização de uniformes, ausência da carteira de saúde de manipulação de alimentos, estoque ilegal de açaí, falta de prevenção da doença de chagas (processo de branqueamento), além da adulteração. Um dos estabelecimentos utilizava o chamado “mergulhão” – aparelho usado por manicures para esquentar a água – para selecionar os caroços de açaí. Os outros dois locais inspecionados, “Açaí Especial do Manoel” e o “Açaí do Joel”, já cumpriam as ordens da Vigilância Sanitária, mas têm que voltar à agência regulamentadora para finalizar o processo.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *