Lançamentos literários, apresentações de teatro, oficinas voltadas para as culturas pop e japonesa, arrecadação de livros, atividades pedagógicas e lúdicas direcionadas ao público infantil, entre outras ações, estão no cardápio de cultura e arte servido aos visitantes do estande da…

O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

A tênue linha da serenidade

Merece estudo sociológico o episódio
envolvendo uma docente e um segurança da Universidade do Estado do Pará.
Ela, professora de religião afro na instituição, exasperada, chamou o servidor de
“macaco” e, depois, repetiu a agressão verbal a um dos universitários
que defenderam o trabalhador, ontem à noite. Detalhe: o estudante não é negro.
Tudo começou
quando a professora Daniela Cordovil tentava entrar na UEPA com pesquisadores
convidados para participar de um evento, pelo portão da Av. Djalma Dutra, no bairro
do Telégrafo, em Belém. O segurança Rubens dos Santos informou que o acesso
estava fechado por determinação da direção e orientou o grupo a entrar por
outro portão. De acordo com os alunos, a professora perdeu a calma e começou a
xingar o servidor.
Alguns estudantes,
de celular em punho, desafiaram a professora a repetir o insulto diante da
câmera. Ela, transtornada, repetiu.  Todo mundo acabou na seccional de polícia
de São Brás, para prestar depoimentos em Termo Circunstanciado de Ocorrência. O
caso foi denunciado também ao Conselho Estadual de igualdade Racional.
Daniela Cordovil é
antropóloga e pesquisa religiões africanas.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *