Nesta quinta-feira, dia 21, até o sábado, 23, a Escola do Legislativo da Assembleia Legislativa do Pará oferece os cursos de qualificação e atualização do projeto Forma Alepa/Elepa Itinerante em Santarém, atendendo toda a região do Baixo Amazonas, abrangendo também…

Em reunião conjunta das Comissões de Fiscalização Financeira e Orçamentária (CFFO) e de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa, nesta segunda-feira (18) foi aprovado o projeto de lei nº 363/2021, que autoriza o Governo do Pará a contratar operação…

Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

A solidariedade que salva


Hope, o raquítico menininho, desnutrido e abandonado aos 2 anos de idade, acusado de bruxaria, foi resgatado em 30 de janeiro de 2016 na Nigéria pela voluntária dinamarquesa Anja Ringgren Lovén, que o tirou das ruas, alimentou e cuidou com carinho do pequeno. O resultado do tratamento humanitário é visível nas fotos, que mostra o encontro dos dois  e como Hope vive agora. Exatamente um ano depois, ele começou a frequentar a escola, saudável, usando tênis e roupas novas e uma diferença enorme inclusive no tamanho. No ano passado, a imagem da dinamarquesa dando água e biscoitos ao menino impressionou pessoas no mundo inteiro e ajudou a arrecadar mais de US$ 1 milhão, segundo o jornal britânico “Independent”. 

Anja mantém com seu marido, David, há quatro anos, a African Children’s Aid Education and Development Foundation, instituição que abriga mais de 30 crianças, todas abandonadas após serem acusadas de bruxaria.
Em uma entrevista ao Huffington Post, ela contou que em sua primeira visita à Nigéria conheceu uma criança que havia sido espancada quase até a morte por causa da superstição. Sem conseguir esquecer o caso, vendeu tudo o que tinha na Dinamarca e se mudou para o país africano, onde criou a fundação. 

Hope, que passou oito meses sobrevivendo com restos de comida que lhe davam nas ruas, foi submetido a transfusão de sangue, tratamento para eliminar vermes e a cirurgia para corrigir um defeito congênito na uretra. É o  retrato do que cada um de nós pode fazer por uma criança necessitada.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *