O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

A Santa Casa precisa funcionar

Durante Assembleia Geral no Sindmepa,
médicos denunciaram que o governo do Estado estaria já em fase avançada de
negociações com o Cesupa para privatizar a Santa Casa de Misericórdia do Pará. O
diretor administrativo do Sindmepa, João Gouveia, disse que levará o caso ao MPE-PA,
MPF-PA, Conselho Estadual de Saúde e Alepa, entre outras instâncias.

Os médicos da Santa Casa também reafirmaram que as condições de trabalho estão
piores do que no período do movimento grevista da instituição em 2011, e relataram
que a falta de transparência na Santa Casa é constante, com a desativação do
Conselho Gestor da entidade e a comissão da GDI (a gratificação de desempenho
do hospital).
O governador Simão Jatene reagiu enfaticamente, negando a privatização e
garantindo que o governo apenas está estudando uma nova forma de gestão para a
Santa Casa, a maior maternidade pública do Estado, com mais de 300 anos de
existência, de modo a entregar novas e modernas instalações. “A população do
Pará pode ter certeza que jamais os hospitais serão privatizados. Essa conversa
eu já ouvi quando construímos os hospitais Metropolitano, o de Marabá, de
Santarém e de Redenção. É só lembrar o passado. E hoje a população utiliza os
serviços desses hospitais, em todas as regiões do Estado, sem precisar pagar um
centavo por eles”.
Já está passando da hora desse imbróglio da
Santa Casa ser resolvido. A população não quer saber de disputas partidárias
nem corporativas, precisa urgentemente ser atendida.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *