O Procurador-Geral de Justiça César Mattar Jr. inaugurou nesta quinta-feira, 16, o Núcleo Eleitoral do Ministério Público do Estado do Pará, que vai funcionar na sede das Promotorias de Justiça de Icoaraci, distrito de Belém. O coordenador será o promotor…

A desembargadora Maria de Nazaré Saavedra Guimarães, que se destaca pelo belo trabalho que desenvolve à frente da Comissão de Ações Judiciais em Direitos Humanos e Repercussão Social do Tribunal de Justiça do Estado do Pará, e que já coordenou…

Brega no Pará é coisa séria. Tem Brega Pop, Brega Calypso, Brega Marcante, Brega Saudade, Tecnobrega, Melody, Tecnomelody … Verdadeiro hino (música oficial dos 400 anos de Belém), não há quem desconheça o clássico Ao Por do Sol, eternizado na…

Uma reunião no Ministério Público do Estado do Pará colocou em pauta a situação caótica da Unidade de Conservação Estadual Área de Proteção Ambiental da Ilha do Combu, onde proliferam construções e empreendimentos comerciais irregulares, transporte fluvial desordenado, festas e…

A Máfia dos Ipês na Amazônia

Em plena manhã de domingo, comboio de balsas carregadas de toras de madeira de lei explorada em um paraíso ecológico chamado Resex Arapiuns – Reserva Extrativista do Rio Arapiuns, foi visto e fotografado na linha do encontro das águas do Amazonas com o tapajós, em Santarém do Pará, ontem, 22/08/2021. O Ipê, a árvore mais cobiçada por organizações criminosas na Amazônia, por isso alcunhado “o diamante da Amazônia”, é sempre o mais derrubado. O valor médio do metro cúbico é de R$ 388,10, o que rende milhões aos madeireiros que derrubam a floresta nativa.

Por conta do desmatamento ilegal os comunitários ribeirinhos denunciam que as praias lindíssimas, com areia branquinha e fina e águas cristalinas são invadidas por máquinas carregando as toras para colocar em balsas, e as deixam poluídas com restos de madeira como cascas, serragem e estacas.

A tecnologia permite o monitoramento da região amazônica por meio de imagens de satélite, capazes de identificar as áreas de exploração, assim como os locais de embarque e desembarque das cargas. Além disso, sobrevoos apontam as coordenadas geográficas exatas das madeiras extraídas ilegalmente. Mas cada vez mais os recursos para a fiscalização são cortados e assim o desmatamento corre livre e solto.

Caminhões carregados de Ipê já foram apreendidos na Flona Tapajós (PA), no município de Belterra. O aumento do valor comercial do Ipê e a crescente investida de organizações criminosas em sua exploração agravam a vulnerabilidade dos territórios indígenas e extrativistas em toda a região do Tapajós. Não só estão fora do aproveitamento legal e sustentável da madeira, como tem seus territórios invadidos por esses grupos criminosos, evidentemente violentos, como a Human Rights Watch vem denunciando, desde 2019,  a “Máfia dos Ipês” no Brasil.

Foto de Nilson Vieira.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Participe da discussão

1 comentário

  1. O crime compensa,para os poderosos ! A pilhagem das riquezas da Amazônia,corre solta. Paramos no tempo e somos prisioneiros da miséria e do atraso. O “parasita e desqualificado”,que se diz presidente da República,incentiva o crime organizado.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *