O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

A intolerância e a democracia

O Brasil está vivendo um momento triste e perigoso de desagregação. Quanto mais a crise política e econômica se agrava, mais as pessoas radicalizam. De repente o País passou a se dividir entre “coxinhas” e “mortadelas”, apelidos infames que revelam a falta de respeito a um ícone das liberdades democráticas: o livre pensar e manifestar. 

O acirramento das paixões partidárias tem ensejado cenas deprimentes nas redes sociais, com ofensas gratuitas que, por sua vez, vêm desintegrando amizades e relacionamentos sociais e profissionais. Grupos de WhatsApp que reúnem antigos colegas de colégio, de faculdade e até amigos de infância são implodidos por discursos raivosos. 

A intolerância, que já causou tantas tragédias e crimes contra a Humanidade, grassa.

Aceitar opiniões diversas, conviver pacificamente com os contrários, garantir a palavra e a expressão divergente requer o exercício pleno da cidadania, a pluralidade que sustenta os regimes democráticos. Não raro, os jornalistas têm sido confundidos com a notícia e até com as empresas empregadoras, e condenados a um linchamento moral, sem dó nem piedade e muito menos bom senso. A nação brasileira, historicamente cordata, solidária e alegre mesmo na adversidade, não pode sucumbir ao ódio, cuja face medonha assombra o mundo e hoje mesmo ceifou dezenas de vidas em Bruxelas e dizima populações inteiras em conflitos infindáveis.

O Brasil, para superar este momento difícil, precisa sobretudo de paz social. É dever de cada cidadão e de toda a sociedade contribuir para que ela seja alcançada. O necessário debate político, por mais acalorado que seja, não pode de modo algum resvalar para a violência, em qualquer de suas nuanças.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *