O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

A inércia face a hidrovia Tocantins/Araguaia

Eu venho cantando
a pedra
aqui há anos. De vez em quando, os políticos resolvem pressionar o
governo federal, fazem reuniões com ministros, todo mundo dá entrevista, datas
são marcadas, o tempo passa, o tempo voa, e a hidrovia Tocantins/Araguaia – que
é de interesse nacional e impacta diretamente cinco Estados brasileiros (Pará, Mato Grosso, Goiás, Tocantins e Maranhão) – não
sai do papel.
Sequer no trecho Marabá/Vila do Conde é viabilizada
a navegação. O projeto de derrocamento do pedral do Lourenço está pior do que
novela mexicana. Não há meio de ter desfecho feliz. A ALPA, siderúrgica da
Vale, já foi para o espaço. O sonho
do polo metal-mecânico está a caminho. A inércia diante do silêncio da União é
assustadora.
Em 2010 o projeto de derrocamento do pedral do
Lourenço estava pronto, licenciado, licitado e com orçamento garantido no PAC.
De repente, o dinheiro foi realocado, a licitação denunciada, a licença caiu e
até o projeto sofreu readequação. Três anos depois, esgotados todos os
pretextos, nenhum avanço. O projeto patrocinado pela Vale virou segredo de
Estado, inexplicavelmente. E a desculpa da
hora
é que a Marinha é que vai escolher a metodologia e a largura do canal,
acreditem. Ah! E que antes de licitar a obra é preciso que ela obtenha a
licença ambiental. Mas será que ninguém lembrou disso antes?!

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *