A sesquicentenária samaumeira que perdeu seus galhos na madrugada desta segunda-feira (6) é memória afetiva de todos os paraenses e até de gente de fora do Pará e do Brasil que frequenta Belém durante o Círio de Nazaré. Localizada em…

O Tribunal Regional Eleitoral do Pará oficializou o resultado da eleição suplementar em Viseu 39 minutos após o encerramento da votação. Foi eleito prefeito Cristiano Vale (nº 11 – PP – Voltando pra Cuidar da Gente) e vice-prefeito Mauro da…

Nem bem foi inaugurado, e ainda faltando a instalação dos bancos e finalização, o calçadão da Avenida Beira-Mar, em Salinópolis, sofreu diversas avarias. A Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Obras acionou a empresa responsável pela obra, que está executando ações…

A expectativa era grande em relação à ida do governador Helder Barbalho à Assembleia Legislativa para a leitura da Mensagem na instalação da 61ª Legislatura. Funcionou como uma espécie de termômetro da Casa, que abriga novos deputados na oposição, e…

A eterna Vigia de Nazaré

Fundada há mais de 350 anos pelos portugueses, a 93 km de Belém, com acesso pela rodovia PA-140, Vigia fica na chamada região do Salgado, área de influência do Oceano Atlântico. Cidade histórica, Vigia de Nazaré tem tradição nas músicas e nas letras, valores que foram agregados ao belo artesanato local.
É lá que acontece o círio mais antigo do Pará, a Festa de Nossa Senhora de Nazaré, o famoso carimbó. Não é à toa que é considerada por seus habitantes e admiradores como uma importante referência artística e cultural, verdadeira “Atenas Paraense”.
Um dos ícones locais é a Igreja Matriz Madre de Deus. Por volta de 1930, o Padre Alcides Paranhos e o prefeito da cidade resolveram demolir parte do prédio, usando as pedras retiradas para a construção da primeira usina de luz de Vigia. Com a demolição foram encontrados esqueletos humanos, o que comprovou uma antiga lenda local de que algumas pessoas condenadas pelas Ordenações do rei de Portugal foram empaladas nas paredes da Igreja.
Em estilo barroco, a Igreja foi construída no século XVIII e é tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – IPHAN. Alguns pesquisadores acreditam que seja a única, no Brasil, com 22 colunas laterais de origem toscana. Em sua parte interna, há peças em ouro e prata, crucifixos e imagens originais de Rocca. O forro da sacristia é todo ornado com belíssimas pinturas.

Os habitantes de Vigia também a chamam de “Igreja do Bom Jesus”, por causa de uma obra que guarda com esse tema. Até hoje ainda é uma obra inacabada e apresenta nas paredes internas e externas pedras expostas aplainadas e em nivelamento com argamassa. Essas e outras curiosidades fazem com que a igreja seja um dos pontos turísticos mais visitados e um dos principais cartões postais do Estado.

A Capela do Senhor dos Passos – Igreja de Pedras – datada do século XVIII, é um templo construido pelos Jesuítas, conhecido, hoje, como Igreja do Bom Jesus, porque lhe gardava a imagem, deixada pelos frades Carmelitas, que também se instalaram na Vigia, em 1734. Em 1759, os padres foram expulsos de Portugal e das províncias do Brasil. Nessa época foi transferida para a Madre de Deus a imagem do Bom Jesus, para para que a Igreja de Pedras fosse concluída, mas essa ficou inacabada e abandonada, sofrendo demolições e transformações. Na década de 30, um intendente local mandou demolir o que restava das paredes laterais e, com as pedras, mandou construir o cais de arrimo da cidade. A Igreja revela estrutura de pedras lavradas, peças de mármore e imagens antigas.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

0 resposta em “A eterna Vigia de Nazaré”