Governador do Pará e presidente do Consórcio de Governadores da Amazônia Legal, Helder Barbalho está com agenda intensa em Brasília, e em reunião com Lula nesta sexta-feira (27) apresentou documento proposto pelo CAL. Para o desenvolvimento regional do bioma amazônico,…

O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

A estratégia do gafanhoto em privilégio ao garimpo

Não é segredo que o governo Bolsonaro tem enorme simpatia por garimpeiros. Mas incluí-los na lista de povos tradicionais nem nos mais pavorosos pesadelos era cogitado. Pois além de agora ser real, a ideia constou na pauta na 11ª reunião do Conselho Nacional dos Povos e Comunidades Tradicionais (CNPCT), colegiado consultivo do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, que criou Grupo de Trabalho com prazo de um ano para decidir se os destruidores da Amazônia e de outros biomas terão esse status. O GT é composto por quatro integrantes da sociedade civil, um do governo federal, membros do Ministério Público Federal, Defensoria Pública da União e outros órgãos ainda não informados pela ministra Damares Alves.

O CNPCT é presidido por Carlos Alberto Pinto Santos Candidato, membro do Comissão Nacional de Fortalecimento das Reservas Extrativistas e Povos e Comunidades Tradicionais (Confrem). Ele garantiu que haverá consulta prévia, ampla, livre e informada, respeitando os direitos, a identidade e a cultura dos povos e comunidades tradicionais, que serão ouvidos, assim como pesquisadores, antropólogos e instituições. Garimpeiros, historicamente, perseguem, matam e oprimem essa população e obviamente não se enquadram no que determina a Política Nacional de Desenvolvimento de Povos e Comunidades Tradicionais.

Recentemente, quando centenas de balsas de garimpo ilegal formaram uma vila flutuante no rio Madeira, a cerca de 112 quilômetros de Manaus(AM), a imagem do Brasil mais uma vez se esgarçou perante a comunidade internacional. Mas o governo federal em hipótese alguma condena ou desestimula a atividade. Além do mais, há várias frentes parlamentares e de prefeitos que acham ruim a Polícia Federal, em operação, atear fogo nas balsas que fazem extração clandestina de ouro. E é do conhecimento geral que a atividade garimpeira tem sido responsável pela destruição de grandes extensões da Amazônia e resultado em violentos ataques contra povos indígenas, comunidades quilombolas e ribeirinhos.

A situação é tão dramática que a Norte Energia reforçou o esquema de segurança privada nas proximidades da Usina de Belo Monte por causa da crescente atuação de facções criminosas e garimpeiros ilegais. O efetivo da Força Nacional de Segurança e da Polícia Federal na região não consegue dar conta.

Marcelo Norkey, representante da Cooperativa dos Garimpeiros do Médio Iriri, no Pará, é um dos idealizadores da proposta de contemplar os garimpeiros com a classificação PCT, que começou a ser estruturada há dois anos. Ele justifica dizendo que é filho e neto de garimpeiros. E que garimpeiro trabalhava desde o tempo da escravidão para o rei de Portugal. A justificativa compete em assombro com a inusitada proposição.

O Movimento Amplo de Resistência ao Desmonte da Política Socioambiental (Maré Socioambiental) declarou, em nota de repúdio, que “a possibilidade de reconhecimento desses setores econômicos” como povos tradicionais é “no mínimo, um insulto ao histórico de lutas de Povos e Comunidades Tradicionais, que tem o próprio CNPCT como uma de suas conquistas”.

“Evidencia-se que o garimpo e a pecuária são um dos principais setores responsáveis pela maioria dos conflitos socioambientais que afligem populações tradicionais”, aponta o documento.

Só de janeiro a agosto de 2021, a mineração desmatou 102,42 km2 na Amazônia, o equivalente a mais de 10,2 mil campos de futebol. Os dados são do Sistema de Detecção de Desmatamento em Tempo Real (Deter), do Instituto de Pesquisas Espaciais (Inpe). A área contabilizada nestes meses já era maior que o registrado em todo o ano de 2020, quando a atividade devastou 100,26 km².

De acordo com o próprio governo, há 28 segmentos de povos e comunidades tradicionais catalogados. São núcleos que têm nos territórios em que vivem e nos recursos naturais que utilizam a condição de sua existência e de sua identificação como “grupos culturalmente diferenciados e que se reconhecem como tais, que possuem formas próprias de organização social, que ocupam e usam territórios e recursos naturais como condição para sua reprodução cultural, social, religiosa, ancestral e econômica, utilizando conhecimentos, inovações e práticas gerados e transmitidos pela tradição”, nos termos do decreto nº 6.040/2007.

Não por acaso, despacho da Advocacia Geral da União, datado de 8 de novembro de 2021, enviado ao Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), propõe o uso de Unidades de Conservação de Uso Integral – em que o objetivo principal é a preservação da biodiversidade, sem uso direto dos recursos naturais – por comunidades tradicionais. O Brasil não é terra de amadores. E na política não existe coincidência. O parecer da AGU encontra ressonância na fala do seu ex-titular, André Mendonça, quando interpelado no Senado: ele justificou o desmatamento na Amazônia pela pobreza, na linha de combate através de regularização dessas situações de irregularidade. A questão é que não basta regularizar a atividade em si, é preciso dar um basta à violência, ao cometimento de invasões, assassinatos, abusos e exploração de crianças e adolescentes, contaminação dos cursos d’água, solo e ar, que são ameaça global.

Já existem instrumentos legais que tentam conciliar Unidades de Conservação e uso por povos tradicionais, nas Reservas Extrativistas ou Reservas de Desenvolvimento Sustentável.

 “Garimpeiros são como gafanhotos famintos, destroem tudo pela frente e em seguida vão para outro lugar”, resumiu o sociólogo e professor da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), Luiz Antonio Nascimento. Os povos tradicionais são aqueles que vivem na e da terra há séculos, como ribeirinhos, caiçaras, caboclos, indígenas e quilombolas. “Estes usam as terras, os recursos naturais e o meio ambiente como um todo de forma sustentável”, acrescenta o sociólogo, para quem o garimpo é por natureza degradador e insustentável. “Não há um único lugar em que o garimpo deixou algo além de miséria, doenças e degradação social e ambiental”, fulmina.

O CNPCT foi criado pelo Decreto n 8.750 de 9 de maio de 2016 e está presente na estrutura da Secretaria Nacional de Políticas da Promoção da Igualdade Racial (Seppir), do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, comandado pela ministra Damares Alves. O conselho tem atribuição de fortalecer e garantir os direitos dos povos tradicionais, propondo conferências, coordenando, acompanhando e monitorando a implementação e a regulamentação da Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais.

Confiram o rastro de destruição que o garimpo deixa, nas fotos e vídeos.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *