Vanete Oliveira, a jovem marajoara de 28 anos e mãe de cinco filhos que sofre há catorze anos com um tumor enorme em um dos olhos, que lhe cobre quase a metade da face, já está internada no Hospital Ophir…

Equipes da Divisão de Homicídios e da Delegacia de Repressão de Furtos e Roubos estavam monitorando há um mês o grupo criminoso que planejava roubar em torno de R$ 1 milhão no caixa eletrônico do Banpará localizado dentro do Hospital…

Vanete Oliveira, 28 anos, mãe de cinco filhos, vive em Portel, município do arquipélago do Marajó(PA). Ela sofre há catorze anos dores atrozes além do desconforto, trauma e todo tipo de dor física e psicológica, por conta de um tumor…

As Diretorias de Combate à Corrupção e de Polícia do Interior da Polícia Civil do Pará prenderam hoje (28), no Distrito Federal, durante a Operação "Litania”, uma falsa empresária e sócios-proprietários que utilizavam empresa de fachada como instituição financeira para…

A dívida da União com as estradas federais no Pará

FOTO: MÁCIO FERREIRA

Depois que as filas de cinco mil caminhões no enorme atoleiro da BR-163 ganharam as manchetes dos jornais, emissoras de rádio e TV e sites no mundo inteiro, o DNIT – Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes se dignou a contratar a recuperação do trecho perto de Trairão. Mas o serviço é tão porco, como diz o caboclo, que já foi interrompido duas vezes. Uma vergonha.

Há 41 anos o Pará espera a pavimentação definitiva da Santarém-Cuiabá, assim como da BR-230, a Transamazônica. Desde que foi implantada, na época da ditadura militar, assim como a Transamazônica, todos os presidentes da República fizeram a mesma promessa. E todos mentiram. O tempo urge, não dá para esperar mais. Inaceitável que o governo federal teça loas ao projeto Arco Norte de exportação e não cuide de  asfaltar a rodovia, corredor obrigatório  no escoamento de grãos, em especial a soja – que é o segundo produto mais exportado pelo Brasil, depois do minério de ferro. 

Da divisa com o Mato Grosso até Santarém, ao longo de 190 quilômetros, quatro trechos da BR-163 nunca viram asfalto. De Vila Isol à sede do município de Novo Progresso; de Santa Júlia a Moraes Almeida, em Itaituba; de Campo Verde a Rurópolis; e de Vila Planalto até Miritituba. O último é considerado o mais crítico. Por ele circulam quase 95% da carga que sai de Mato Grosso em direção ao Pará. 

A Transamazônica também continua inacabada até hoje. Está em território paraense o pior estirão dos seus mais de quatro mil quilômetros: de Palestina do Pará até Jacareacanga, passando por 17 municípios e polos importantes como Marabá, Altamira e Itaituba. E a estrada forma um imenso eixo com as mais importantes rodovias federais e estaduais do Pará!

Conforme o governo do Mato Grosso, os produtores perdem ao ano cerca de R$ 1 bilhão com essa situação. Com a projeção de aumento das exportações, a perda duplicará.   Não à toa, a CNT – Confederação Nacional dos Transportes atribuiu conceito “péssimo” a 21,7% das rodovias federais no Pará.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *