Patrick Luis Cruz de Sousa, candidato a presidente do Conselho Regional de Farmácia do Pará pela Chapa 1 e atual conselheiro do CRF-PA, discursa na campanha em favor das mulheres, que representam 70% da categoria, mas no início deste ano…

A 27ª Unidade de Conservação do Estado do Pará abrange os municípios de Jacareacanga e Novo Progresso, no sudoeste paraense. O Decreto nº 1.944/2021 foi assinado pelo governador Helder Barbalho na quinta-feira, 21, e publicado ontem (22) no Diário Oficial…

O Atlas da Dívida dos Estados Brasileiros, lançado no Fórum Internacional Tributário pela Federação Nacional do Fisco Estadual e Distrital, aponta que a dívida ativa das empresas com os entes federados soma estratosféricos R$ 896,2 bilhões, significando 13,18% do PIB…

Ao abrir oficialmente o Forma Alepa/Elepa, o presidente da Assembleia Legislativa do Pará, deputado Chicão, destacou a importância do trabalho que vem sendo executado pela Escola do Legislativo, treinando, qualificando e atualizando gestores, vereadores e servidores públicos, que dessa forma…

A cidadania que se esvai

Tempos difíceis vivemos nós, brasileiros. A invasão do plenário da Câmara dos Deputados, ontem, por manifestantes que pediam – entre outros itens – a volta da ditadura militar é o exemplo cabal da crise de valores que assola o País. Tempos sombrios em que grupos pregam a violência, entregam a cidadania e a liberdade, princípios que deveriam nortear a Pátria. Tempos medonhos em que são agredidos os jornalistas, que apenas deveriam noticiar e não virar notícia pela selvageria que impera e desmerece o debate político nacional. 

Quatro jornalistas foram agredidos por manifestantes (policiais militares, bombeiros e agentes penitenciários, em sua maioria) quando faziam a cobertura do protesto na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro. O repórter Caco Barcelos, da Rede Globo, foi hostilizado e agredido quando gravava uma reportagem. Foi expulso sob gritos, vaias, agressões físicas e objetos jogados em sua direção. O repórter Guilherme Ramalho, do jornal O Globo, também foi agredido e impedido de trabalhar. O repórter Gustavo Maia, do portal Uol, teve o celular arrancado de sua mão pelo tapa de um manifestante, quando gravava o protesto. O aparelho não parou de gravar mesmo após cair no chão e assim o rosto do agressor pode ser visto nas imagens. Um repórter do G1 teve a máscara de proteção arrancada de seu rosto e ainda levou um soco no braço. Quando se identificou como repórter, ele foi xingado. 

Recentemente, no último dia 2, a Polícia Militar de São Paulo feriu com bala de borracha a repórter fotográfica Marlene Bérgamo, diretora do Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo e fotógrafa da “Folha de S.Paulo”. Ironicamente, a agressão aconteceu no Dia Internacional de Combate à Impunidade de Crimes Contra Jornalistas.

Crise moral, crise econômica e crise política. Ex-governadores, ex-prefeitos, ex-ministros, ex-deputados e ex-senadores presos por corrupção. 

Algo de muito errado acontece em uma sociedade que escolhe tão mal seus representantes e pratica tanta violência contra a imprensa. Aonde iremos parar? Cartas para a redação.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *