Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Na quarta-feira passada, dia 24, a audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal, em Brasília, era para discutir a gravíssima situação na Terra Indígena Yanomami, mas o clima de enfrentamento entre bolsonaristas e lulistas inviabilizou…

O prefeito Edmilson Rodrigues anunciou que Belém tem condições de fazer o Carnaval 2022, após reunião hoje (25) à tarde com representantes das escolas de samba e blocos carnavalescos. Ele acredita que com mais de 80% de pessoas vacinadas contra…

Câmara de Belém em defesa do seu dindim

Trabalhadores
comuns, de verdade, que dão duro diariamente para receber o salário mínimo no
fim do mês e que a cada quatro anos são adulados
com as promessas mais mirabolantes por hordas de candidatos em busca de um
mandato na Câmara Municipal de Belém, perderam a chance de ver seus eleitos em
esforçada e comovente atuação em
plenário, ontem.
Revoltadíssimos,
nossos vereadores colocaram todo seu talento verbal no trabalho de baixar o pau no projeto de um vereador
novo, Cleber Rabelo (PSTU), oriundo da construção civil, que pretende – ora,
vejam! – acabar com o vale-alimentação dos edis e diminuir os salários de Suas
Excelências, hoje por volta de R$40 mil (aí incluídos R$11 mil de básico, mais R$15
mil de verba de gabinete, mais  R$14 mil de vale-alimentação, mais
telefone subsidiado, combustível, e, ainda, (ufa!) mais ajudazinhas de milzinhos
daqui, dois mil dali, etecetera e tal).
O
líder de Governo, Mauro Freitas (PSDC), acusou o autor de querer aparecer, disse que a CMB tem os
salários mais baixos do País(!), e não titubeou em convidar todos os colegas a
se manifestarem contra o projeto na tribuna. Empolgado, foi mais longe e conclamou
a população – aquela mesma, cuja maioria ganha salário mínimo!!! – a se
levantar patrioticamente contra a proposta e defender os salários dos
vereadores, porque lá na Câmara, segundo ele, a sociedade tem “35 guerreiros” a
lutar incansavelmente pelo povo. Céus!
A
disposição guerreira em defesa dos próprios bolsos contagiou a maioria dos
bravos edis presentes. Orlando Reis(PTB) disse que o vale alimentação é usado
para  comprar material de expediente. Ah! Então tá explicado: a CMB, que
dá notebooks de presente para seus vereadores (sim, eles levaram pra casa no
fim do mandato) e que tem grana para intermináveis viagens interestaduais ,
entre outros mimos,  não estaria fornecendo papel, grampos, cola e demais
artigos, obrigando os vereadores a utilizarem os R$14 mil mensais do vale de
cada um na compra desse caríssimo (descobre-se agora) material. E haja clips!
Aliás,
na definição de Reis, o vereador é a “tábua
de salvação
” do Brasil, país, segundo ele, lotado de desempregados que são
socorridos pelos salários da turma do Legislativo municipal. E isto, na opinião
dele, nem é assistencialismo, um conceito ultrapassado diante da seriedade com
que a vereança se doa aos mais carentes. O nome certo dessa prática, conforme
esse vereador, seria solidarismo. Hummmm….
A
vereadora Meg Barros (PSOL) preferiu tentar desviar a mira para outros alvos,
dizendo que ninguém sabe dos salários da turma do Judiciário.
Tanta
retórica em causa própria incentivou Miguel Rodrigues (PRB) a um gesto extremo:
mostrando indignação pelas insinuações de que os vereadores de Belém ganham
muito mais do que merecem, declarou que seu carro é apenas um Fiat e que mora
com os pais, por não possuir casa. Coitado!
Esse
atestado de pobreza não convenceu as poucas vozes dispostas a pelo menos
discutir o projeto com mais seriedade, como Fernando Carneiro (PSOL), que, além
de exigir dos demais o necessário respeito ao autor da proposta, que é pedreiro
mas foi eleito como os outros para chegar lá, perguntou aos colegas se eles
sabem realmente o que a população pensa deles. E refrescou a memória de todos citando os números nada elogiosos de
pesquisas que apontam os políticos como os menos confiáveis na opinião da
sociedade brasileira.
E
isso tudo foi apenas a apresentação do projeto do Cleber Rabelo. Imaginem o dia
da votação. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *