O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

A cada 11 minutos uma mulher é estuprada no Brasil


O Brasil é o 5º país que mais mata mulheres no mundo. A cada 11 minutos uma mulher é estuprada no Brasil, de acordo com o 9º Anuário Brasileiro de Segurança Pública, cujos dados mais recentes são de 2014, o que já demonstra o pouco caso oficial. Os casos das adolescentes de 16 anos no Rio de Janeiro – vítima do ataque selvagem de trinta predadores sexuais –,  e de 17 anos em Bom Jesus (PI), estuprada por cinco -, são emblemáticos e não podem de modo algum cair no esquecimento.  Há cerca de um ano, em Castelo do Piauí (PI), quatro adolescentes foram vítimas de um estupro coletivo e atiradas de um penhasco. E o que se segue ao  estupro é sempre tão devastador para a vítima quanto o bárbaro crime em si. 

Mães criaram esses monstros e falharam em sua missão de transmitir a eles o respeito que todas as mulheres merecem. Morremos porque nascemos mulheres. O drama enfrentado pelas brasileiras é que não existem políticas de prevenção e punição para crimes de gênero, que sejam efetivas e eficazes.

A violência se multiplica nas redes sociais com comentários machistas. É preciso firmeza na investigação, processo e julgamento de tais casos, para acesso à justiça e reparação, evitando a revitimização. 

Crime hediondo, o estupro, a violação da dignidade das vítimas e suas consequências trágicas não podem ser admitidos jamais.  Tolerância zero a todas as formas de violência e não à sua banalização!

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *