A igreja de São Francisco de Assis em Belém do Pará, carinhosamente chamada pelos fiéis de "Capuchinhos", completará cem anos de sua inauguração em 02 de outubro de 2022. A abertura oficial das festividades será com um concerto na igreja…

O trânsito continua matando mais do que muitas guerras. A administradora Gina Barbosa Calzavara, coordenadora dos bosquinhos da Universidade Federal do Pará, fez uma emocionante homenagem à memória do jovem Jean Serique Lameira, esportista do ciclismo e que também usava…

O Laboratório de Engenharia Biológica do Parque de Ciência e Tecnologia - PCT Guamá está estudando o sequenciamento genético do açaí, de modo a assegurar a rastreabilidade de ponta a ponta na cadeia produtiva e padrões de qualidade para os…

A Lei estadual nº 9.278/2021, que entrou em vigor em 30 de junho deste ano, instituindo a obrigação de que pessoas residentes em condomínios, conjuntos habitacionais e similares comuniquem à Polícia Civil, de forma imediata, qualquer tipo de agressão praticada…

A arte transformadora e inclusiva de Lenu

Letícia Nunes, a Lenu, é uma jovem artista plástica que trabalha com ilustrações digitais e manuais, estamparias, livros, projeções, performances e outros projetos visuais. Suas pinturas de colorido intenso já estampam muros e até um grande espaço em shopping de Belém do Pará. A obra mais recente de Lenu é um Mural Inclusivo de Graffiti Sensorial, produzido em conjunto com os profissionais da área da saúde e da educação da APAE Belém para as crianças e adolescentes da instituição, como forma de imersão a partir de exercícios de desenho, de pintura e imaginação. Com uma proposta inovadora, o trabalho de Lenu é lindo e arrebatador.

Um dos quadros do Mural Sensorial e Inclusivo é de experiência sonora. Ele é dedicado ao carimbó. Isto porque, além de ser um dos ritmos preferidos dos alunos (junto com o brega), na APAE Belém um grupo de mães ensaia a dança na quadra poliesportiva, o que faz a música muito presente na rotina da instituição. As crianças participaram da concepção do projeto em oficinas virtuais. Cada um gravou um vídeo dançando sua música preferida, e através de uma enquete elegeram a canção preferida de todos, retratada no mural (a que ganhou foi “No Meio do Pitiú, da Dona Onete). As crianças também confeccionaram instrumentos caseiros com materiais reutilizáveis (embalagens que iriam para o lixo) e o resultado foi rico: tambores, pandeiros, chocalhos, maracas e baquetas. Todos estão pendurados na parede e podem ser facilmente retirados para brincar e tocar, fazendo um convite à experimentação musical.

Todas as oficinas foram pensadas e executadas junto com os profissionais da APAE Belém, em uma vivência interdisciplinar na pedagogia e na saúde. A ideia, conforme a artista, era trazer o conceito de sinestesia para o graffiti, aplicado de forma interativa em projeto inclusivo, produzido pela Psica Produções, através da lei de incentivo à cultura Aldir Blanc.

Lenu revela que desenhar era a sua brincadeira favorita, na infância. Ela lia muitas revistas em quadrinhos e criava os seus próprios personagens. Também gostava de ilustrar as lendas folclóricas amazônicas. A sensibilidade da artista resulta em um trabalho incrível. Ela criou um jogo da memória de numerais, letras e formas geométricas, todo feito de latas de leite reutilizadas e cano pvc. Os stencils e as pinturas das latas foram confeccionados pelos próprios alunos da APAE Belém, em uma das oficinas de criação do Mural Sensorial e Inclusivo.

            As fotos são do acervo da artista.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Participe da discussão

2 comentários

  1. A Arte de Lenu é realmente linda e transformadora! Utiliza materiais simples como latas, cano pvc e incluir os alunos da APAE é transformador e de uma grande sensibilidade!❤️

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *