A empresa de ônibus Belém-Rio, que faz a linha para o distrito de Outeiro – Ilha de Caratateua, em Belém, aparentemente está falida e reduziu pela metade a sua frota, causando enorme sofrimento aos usuários do transporte coletivo. O serviço,…

A Cosanpa abriu nada menos que seiscentos buracos imensos nos bairros mais movimentados de Belém, infernizando a vida de todo mundo com engarrafamentos e causando graves riscos de acidentes, principalmente porque chove sempre, e quando as ruas alagam os buracos…

O Procurador-Geral de Justiça César Mattar Jr. inaugurou nesta quinta-feira, 16, o Núcleo Eleitoral do Ministério Público do Estado do Pará, que vai funcionar na sede das Promotorias de Justiça de Icoaraci, distrito de Belém. O coordenador será o promotor…

A desembargadora Maria de Nazaré Saavedra Guimarães, que se destaca pelo belo trabalho que desenvolve à frente da Comissão de Ações Judiciais em Direitos Humanos e Repercussão Social do Tribunal de Justiça do Estado do Pará, e que já coordenou…

A agonia do MPE-PA

O Ministério Público do Pará está
profundamente abalado e vive dias de aflição. Anteontem, depois que o
governador Simão Jatene saiu do velório da procuradora de justiça Graça
Azevedo, membros do Colégio de Procuradores reuniram para tratar da sucessão, o
que ensejou discursos inflamados de promotores lá mesmo no velório.
Como a Lei Orgânica (Lei Complementar nº 057/2006) é omissa
quanto à situação inédita da morte da Procuradora Geral nomeada, antes da posse,
o Conselho Superior do MPE-PA deverá decidir a questão. Entretanto, já se sabe
que o único caminho que pode manter a unidade da instituição neste momento
difícil é a realização de novas eleições, nos moldes previstos no § 2º do art 9º
e art. 10 da Lei Orgânica do MPE. Caso contrário, haverá questionamento
judicial, o que desmantelaria o órgão,
que precisa, mais do que nunca, ser reforçado.
A solução apontada pela maioria dos
promotores – que elegeu Graça Azevedo e que se sente órfã – tem lógica e força
constitucional. É que o processo eleitoral foi encerrado com a nomeação,
publicada no DOE, da nova Procuradora Geral. A
Comissão Eleitoral foi dissolvida. O governador não pode agora simplesmente nomear
o segundo colocado na lista, porque aí feriria a autonomia do Ministério
Público, que é assegurada pela Constituição Federal. Nem o Conselho Superior
pode encaminhar lista dúplice, porque a Constituição Federal, em seu artigo 128,
§3º, manda expressamente que a lista seja
tríplice.  
Assim, o mais
razoável é que o atual procurador geral Antônio
Eduardo 
Barleta de Almeida
convoque imediatamente novas eleições, tomando todas as providências legais,
tais como publicar edital e instituir a Comissão Eleitoral para os demais
procedimentos. Se encerrar seu mandato antes
da nova eleição, deve
assumir o decano do MPE-PA, que é o
procurador de justiça Manoel Santino Nascimento
Júnior
, até a nomeação e posse do novo dirigente.
Aliás, outra
situação curiosa se desenha: coincidentemente, a esposa do procurador Manoel
Santino Nascimento Júnior, desembargadora
Luzia Nadja Nascimento, toma posse como presidente do TJE-PA no primeiro dia
útil de fevereiro de 2013 e o casal, por um curto período, poderá chefiar
simultaneamente as duas instituições.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *