Governador do Pará e presidente do Consórcio de Governadores da Amazônia Legal, Helder Barbalho está com agenda intensa em Brasília, e em reunião com Lula nesta sexta-feira (27) apresentou documento proposto pelo CAL. Para o desenvolvimento regional do bioma amazônico,…

O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

41 anos da Revolução dos Cravos

Quatro versos de «Poemarma», do poeta Manuel Alegre, anunciavam o primeiro comunicado da Revolução: «Que o poema seja microfone e fale uma noite destas de repente às três e tal/ para que a lua estoire e o sono estale e a gente acorde finalmente em Portugal». Mas, também, em «Lisboa perto e longe», a estrofe já cantava, sete anos antes, Lisboa na rua, de cravo vermelho na mão: «Lisboa tem um cravo em cada mão/ tem camisas que Abril desabotoa mas em Maio Lisboa é uma canção/ onde há versos que são cravos vermelhos/ Lisboa que ninguém verá de joelhos.» Passava um pouco da meia-noite daquele 25 de abril de 1974 quando começou a soar na emissora católica de Lisboa “Grândola, Vila Morena”, de Zeca Afonso, proibida pela censura, a senha para o início do levante em Portugal. Era a Revolução dos Cravos. A liberdade chegou com a música e os cravos enfiados pela população nas espingardas dos soldados, encerrando, ao mesmo tempo, 48 anos de ditadura fascista e 13 anos de guerra nas colônias africanas. Artistas, políticos e desertores começaram a retornar do exílio. As colônias receberam a independência. Não houve caça aos responsáveis pela ditadura, e as dívidas do governo anterior foram todas pagas. Os únicos a oferecer resistência foram os agentes da polícia política. Três pessoas morreram no conflito pela tomada do quartel-general.
Ao voltar do exílio em Paris, Mário Soares, o dissidente mais popular do governo Salazar, foi recebido por milhares de pessoas na estação ferroviária de Lisboa. Cravos vermelhos foram jogados de helicóptero sobre a cidade e só se ouvia a famosa canção, que já havia se tornado o hino da revolução. 

Em 1974, Portugal era um país atrasado, isolado na comunidade internacional, embora fizesse parte da ONU e da Otan. Era o último país europeu a manter colônias e vinha travando uma longa guerra contra a independência de Angola, Moçambique e Guiné. O regime de Salazar, iniciado em 1926, havia conseguido se manter através da repressão e fora tolerado pelos países vencedores da Segunda Guerra Mundial.
Antes de abril de 1974, os partidos e movimentos políticos estavam proibidos, as prisões políticas estavam cheias, os líderes oposicionistas estavam exilados, os sindicatos eram fortemente controlados, a greve era proibida, as demissões fáceis e a vida cultural estritamente vigiada. 

Acuado pelo povo e pelos militares, o sucessor de Salazar, Marcelo Caetano, transmitiu sua renúncia por telefone ao líder do movimento, general António de Spínola.
Transportado de tanque ao aeroporto de Lisboa, Caetano embarcou para o exílio no Brasil. Em quase 18 horas, havia sido derrubada a mais antiga ditadura fascista no mundo. A partir de 25 de abril de 1974, começou um processo que consolidou, digamos assim, o Estado de Direito em Portugal, a liberdade de pensamento, de expressão, de reunião. Por outro lado, também permitiu o início da descolonização. O canto e as armas andaram juntos em Portugal e sopraram ventos novos para todo o planeta.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *