A empresa de ônibus Belém-Rio, que faz a linha para o distrito de Outeiro – Ilha de Caratateua, em Belém, aparentemente está falida e reduziu pela metade a sua frota, causando enorme sofrimento aos usuários do transporte coletivo. O serviço,…

A Cosanpa abriu nada menos que seiscentos buracos imensos nos bairros mais movimentados de Belém, infernizando a vida de todo mundo com engarrafamentos e causando graves riscos de acidentes, principalmente porque chove sempre, e quando as ruas alagam os buracos…

O Procurador-Geral de Justiça César Mattar Jr. inaugurou nesta quinta-feira, 16, o Núcleo Eleitoral do Ministério Público do Estado do Pará, que vai funcionar na sede das Promotorias de Justiça de Icoaraci, distrito de Belém. O coordenador será o promotor…

A desembargadora Maria de Nazaré Saavedra Guimarães, que se destaca pelo belo trabalho que desenvolve à frente da Comissão de Ações Judiciais em Direitos Humanos e Repercussão Social do Tribunal de Justiça do Estado do Pará, e que já coordenou…

387 anos do Ver-O-Peso

 Foto: Centro Histórico de Belém

 Fotos: Cláudio Santos
Foto: Cristino Martins
Tombado pelo Iphan em 1977, o Complexo do Ver-o-Peso é um
dos principais cartões postais de Belém e completa 387 anos hoje. Maior feira
aberta da América Latina e uma das “Sete Maravilhas do Brasil”, título atribuído
pelo HSBC e Revista Caras, em 2008, traduz os reflexos e heranças da presença
dos europeus, africanos e indígenas no Pará.
Fundado em março de 1687, funcionava como entreposto
fiscal, onde os portugueses estabeleceram um rígido controle alfandegário na
Amazônia, a casa do Haver o Peso – onde um funcionário público com uma balança
mediava as transações comerciais da época para conferir o peso exato das
mercadorias e cobrar os respectivos impostos para a coroa portuguesa.
Em meados de outubro de 1839, o espaço foi arrendado e
destinado à venda de peixe fresco. Desde então, o Ver-o-Peso, com seus 30 mil
metros quadrados, é integrado pelo Mercado de Carne, Mercado de Peixe, Praça de
Alimentação, Solar da Beira e Feira do Açaí e recebe, diariamente, cerca de 50
mil pessoas, entre elas, turistas do mundo inteiro.
Às margens da baía do Guajará, antes do amanhecer lá estão
os feirantes, com suas sacas, sacolas e carros de mão abastecidos com peixes,
aves, carnes, frutas, ervas medicinais, verduras, artigos regionais e plantas
ornamentais, iguarias típicas da Amazônia, cruzando as ruas do Comércio, num
movimento frenético. O Ver-O-Peso não dorme. Tem vida própria. Pena que Belém
ainda não conseguiu garantir a segurança de quem quer aproveitar seus encantos.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *