O catamarã Bom Jesus IV, que faz o trecho Belém-Ponta de Pedras, no arquipélago do Marajó, naufragou hoje por volta de 17h, em frente a Vila do Conde. O casco rachou, entrou água na embarcação, que adernou e começou logo…

O empresário e político Carlito Begot, ex-vice-prefeito de Ananindeua(PA), protagonizou cena chocante no condomínio Lago Azul, reduto de endinheirados, na noite do domingo passado, 23, em um píer destinado à pesca “pesque-e-solte”. Um grupo fisgou um pirarucu com cerca de…

A alteração da turbidez do rio Tapajós resulta de, ao menos, duas fontes sedimentares distintas: o rio Amazonas e a atividade garimpeira no médio e alto Tapajós, além de usos da terra que causam desmatamento e exposição do solo. Apenas…

A promotora de justiça Ângela Maria Balieiro Queiroz, pelo Ministério Público do Estado, e o procurador Patrick Bezerra, do Ministério Público de Contas do Pará, acompanharão a contratação da obra de reconstrução da ponte Enéas Pinheiro, que interliga os distritos…

346 anos de Manaus(AM)

O Theatro Amazonas, em Manaus(AM). Foto: O Povo

Fundada no século XVII à margem esquerda do Rio Negro afim de consolidar a presença lusitana na região amazônica, já na época considerada localização estratégica em território brasileiro, Manaus começou seu núcleo urbano com o Forte da Barra de São José, idealizado pelo capitão de artilharia Francisco da Mota Falcão, em 1669, data convencionada como o nascimento da cidade, que completa hoje 346 anos. 

A Amazônia, de posse espanhola pelo Tratado de Tordesilhas, em 1494, manteve-se inexplorada até o século XVI, quando se tornou alvo de interesse de holandeses, franceses, ingleses, irlandeses e, principalmente, de portugueses, que saíram em 25 de dezembro de 1615 de São Luís do Maranhão e chegaram ao Pará, onde, em 1616, fundaram na baía do Guajará o Forte do Presépio, nome que fazia referência ao dia da saída do Maranhão.
Desta forma, ocuparam a hoje cidade de Belém e a denominaram Santa Maria de Belém, cuja função era controlar toda a região da bacia amazônica e ocupar as terras de propriedade espanhola. O Estado do Grão-Pará e Maranhão, criado em 31 de junho de 1751, pelo Marquês de Pombal, com sede em Belém, tinha o objetivo de demarcar as fronteiras portuguesas, efetivando o acordo com a coroa espanhola em 1750, o Tratado de Madri. Que, diferente do Tratado de Tordesilhas, que dividia o hoje território brasileiro, era fundamentado no princípio jurídico de uti possidetis, em que “cada parte há de ficar com o que atualmente possui”. 

Ao redor do Forte de São José do Rio Negro se desenvolveu o povoado do Lugar da Barra, que, por conta da sua posição geográfica, passou a ser sede da comarca do São José do Rio Negro. Em 1755, por meio de Carta régia, a antiga missão de Mariuá foi escolhida como capital, passando a se chamar vila de Barcelos. Anos depois a sede foi transferida para o Lugar da Barra, que em 1832 se tornou Vila da Barra e, em 24 de outubro de 1848, a cidade da Barra de São José do Rio Negro. No entanto, com a elevação da comarca à categoria de província, em 1850, passou a se chamar em 04 de setembro de 1856 Manaus, independente do Estado do Grão-Pará. O nome lembra a tribo indígena dos Manáos, que habitavam a região e foram extintos por conta da civilização portuguesa, e seu significado é “mãe dos deuses”. 

A partir de 1870, Manaus viveu o ciclo da borracha, que encerrou em 1913, em razão da perda do mercado mundial para o produto asiático, fazendo com que a cidade retornasse a um novo período de isolamento até o advento da Zona Franca de Manaus, em 1970.


Parabéns aos manauaras!

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *