Na terça-feira da semana passada (19), quando estava em votação no plenário da Assembleia Legislativa projeto de Indicação de autoria da deputada Professora Nilse Pinheiro transformando o Conselho Estadual de Educação em autarquia, detentora de autonomia deliberativa, financeira e administrativa,…

A desgraça sempre chega a galope, mas tudo o que é bom se arrasta indefinidamente no Brasil, o país dos contrastes e contradições, rico por natureza, com poucos bilionários e povo abaixo da linha da pobreza. Parece inacreditável, mas tramita…

O prefeito de Oriximiná, Delegado Willian Fonseca, foi reconduzido ao cargo pelo juiz titular da Vara Única daComarca local, Wallace Carneiro de Sousa, e literalmente voltou a tomar posse nos braços do povo. Era por volta do meio-dia, hoje (26),…

A equipe multidisciplinar do centro obstétrico da Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará, em Belém (PA), vivenciou uma experiência rara e emocionante: o parto empelicado. Imaginem um bebê nascendo dentro da placenta intacta, com os movimentos visíveis, praticamente ainda…

168 anos de Santarém e Cametá como cidades


Há 168 anos, num dia 24 de outubro de 1848, o então presidente da Província do Pará, Jerônimo Francisco Coelho, promulgou a Lei nº 145, que elevou as vilas de Cametá e Santarém à categoria de cidade. A missão dos Tapajós – que deu origem a Santarém – foi fundada pelo padre jesuíta Felipe Bettendorf, que antes passou em Cametá, que por sinal foi capital do Pará por 11 meses, durante o governo popular da Cabanagem, nos idos de 1835. 

Ontem, completou 45 anos a oficialização do Hino de Santarém, a partir de projeto de lei apresentado pelo então vereador Edson Sirotheau Serique e que virou lei municipal nº 245, de 22.10.1971, sancionada pelo prefeito Everaldo de Sousa Martins. O hino foi composto pelo saudoso Wilson Fonseca (o maestro Isoca) em 1941. No primeiro centenário de elevação da “Pérola do Tapajós” à categoria de cidade, Isoca pediu ao poeta Paulo Rodrigues dos Santos (1890-1974) que elaborasse a letra da música, e ambas foram publicadas no “Álbum do Centenário de Santarém”, editado naquele ano de 1948 pelo então prefeito Adherbal Tapajós Caetano Corrêa. Quem conta é o filho do maestro Isoca, desembargador federal do Trabalho Vicente Malheiros da Fonseca.

A foto de Santarém, em primeiro plano o encontro das águas dos rios Amazonas e Tapajós, que banham a cidade, é de Cláudio Santos.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *