A expectativa era grande em relação à ida do governador Helder Barbalho à Assembleia Legislativa para a leitura da Mensagem na instalação da 61ª Legislatura. Funcionou como uma espécie de termômetro da Casa, que abriga novos deputados na oposição, e…

Foram empossados hoje na Assembleia Legislativa do Pará os 41 deputados estaduais eleitos para a 61ª Legislatura (2023-2027). Em seguida houve eleição para a Presidência e a Mesa Diretora, em chapa única, tendo sido reeleito praticamente à unanimidade – por…

O governador Helder Barbalho está soltando a conta-gotas os nomes dos escolhidos para compor o primeiro escalão de seu segundo governo. Nesta quarta-feira será a posse dos deputados estaduais e federais e dos senadores, e a eleição para a Mesa…

Pela primeira vez na história, está em curso  um movimento conjunto da Academia Paraense de Letras, Academia Paraense de Jornalismo, Instituto Histórico e Geográfico do Pará e Academia Paraense de Letras Jurídicas, exposto em ofício ao governador Helder Barbalho, propondo…

Xingu, Causos & Crônicas


No próximo dia 11 de fevereiro, às 19h, no hall do teatro Maria Sylvia Nunes, na Estação das Docas, o velho comunista André Costa Nunes, escritor, marqueteiro, blogueiro (editor do Tipo assim…folhetim) e restaurateur Xamã dos Xipaias no idílico Terra do Meio, restaurante rural que fica bem ali, a 30 minutos de Belém, na estrada do Uriboca, nº 3.000, bairro do Pato Macho, Marituba, vai lançar sua mais recente obra, “Xingu, Causos & Crônicas”. André convida os amigos avisando que vai ter coquetel, inclusive jamburana, acepipes e sarau. 

A obra foi revisada pela professora Aurilea Abelém, prefaciada pelo publicitário e jornalista Walter Menezes da Rocha e tem orelha do jornalista e escritor Paulo Sílber.

O livro é a cara do André. Sua inquietude, sua pressa e alegria de viver, sua doçura e irreverência estão permeadas em cada página. Como na última crônica, “Reflexões de um velho curupira”, em que conta, com seu molho delicioso: “Casei liso como muçum. Nem um centavo no bolso. Subversivo, eternamente fugindo, com a espada de Dâmocles sobre a cabeça. O Colégio Nazaré, dos irmãos maristas, cedeu, de graça, a capela e bancou a recepção. Lá mesmo, no antigo refeitório dos internos. O padre Raul, da Casa da Juventude, não cobrou pela celebração e ainda dispensou-me de comungar. E a música, ah! a música. Profana. Contrariando as ordens do Irmão Diretor, o meu amigo Irmão Porfírio, na hora agá, atacou no órgão, com toda a força, Manhã de Carnaval de Luiz Bonfá e Antônio Maria: ‘Manhã, tão bonita manhã/ Na vida, uma nova canção. Cantando só teus olhos/ Teu riso, tuas mãos/ Pois há de haver um dia em que virás/ Das cordas do meu violão/ Que só teu amor procurou/ Vem uma voz/ Falar dos beijos perdidos/ Nos lábios teus/ Canta o meu coração/ Alegria voltou/ Tão feliz a manhã/ Deste amor.’  Se me fosse dada a oportunidade de começar tudo de novo, na certa, eu estaria, jovem ou grisalho, ingênuo ou vivido, mas sonhador, na mesma estrada poeirenta a fazer sinal para o mesmo ônibus seguindo o mesmo itinerário, com destino a Pasárgada.”

Já ganhei o meu exemplar antecipado, autografado pelo querido autor, com direito a um abraço do tamanho do Xingu, mas é claro que irei para a noite de autógrafos. Obrigada, André!

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *