0
A Assembleia Legislativa do Pará faz a abertura oficial do período legislativo amanhã, em sessão solene, da qual o governador Simão Jatene participa, com a leitura da Mensagem, que contém um balanço dos quatro anos da sua gestão anterior (2011 a 2014). Na oposição, o PSol foi substituído na Alepa pelo PCdoB que, pela terceira vez, ganhou assento na Casa, com o deputado Lélio Costa. O saudoso ex-deputado Paulo Fonteles, notório militante da sigla, na época de seu mandato (1983/1987) se abrigava no PMDB, porque seu partido ainda estava na clandestinidade nas eleições de 1982 e vigorava o bipartidarismo. Só em 1985, com o fim da ditadura militar e o início da Nova República, o PCdoB voltou a funcionar na legalidade. É a mais antiga agremiação política do País, fundada em 25 de março de 1922. 

O marabaense Neuton Miranda, irmão do atual deputado Tião Miranda, foi o primeiro a se eleger pelo PCdoB. Ex­vereador e deputado estadual pelo partido, que ajudou a fundar no Pará, ao lado de Paulo Fonteles e Neco Panzera, em 1984, em um último espasmo da ditadura, chegou a ser preso em Belém, acusado de reorganizar o PCdoB. De 1993 a 1994, teve atuação destacada na Alepa, em defesa dos trabalhadores e na luta pelo direito de morar. Foi presidente da Cohab, no governo de Almir Gabriel, secretário municipal de Habitação na gestão de Edmilson Rodrigues e superintendente do Patrimônio da União. Militante estudantil na juventude, integrou a Ação Popular (AP) e foi vice-presidente da UNE. Viveu na clandestinidade na ditadura militar. Foi anistiado, membro do Comitê Central do PCdoB e presidente do Comitê Estadual. Faleceu aos 61 anos, no dia 20 de fevereiro de 2010, como uma figura proeminente desta trajetória. 


Sandra Batista, viúva do deputado constituinte João Batista(PSB), foi a segunda eleita pelo PCdoB. Vereadora de Belém no período de 1997 a 1998, foi deputada estadual de 1999 a 2006 e vice-prefeita de Ananindeua entre 2008 e 2009, na administração de Helder Barbalho(PMDB).
Franssinete Florenzano
Jornalista e advogada, presidente da Academia Paraense de Jornalismo, membro da Academia Paraense de Letras, do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, da Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo e do Instituto Histórico e Geográfico do Tapajós, editora geral do portal Uruá-Tapera e consultora da Alepa. Filiada ao Sinjor Pará, à Fenaj e à Fij.

Xingu, Causos & Crônicas

Anterior

Nota da Subseção Santarém da OAB-PA

Próximo

Vocë pode gostar

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *