Governador do Pará e presidente do Consórcio de Governadores da Amazônia Legal, Helder Barbalho está com agenda intensa em Brasília, e em reunião com Lula nesta sexta-feira (27) apresentou documento proposto pelo CAL. Para o desenvolvimento regional do bioma amazônico,…

O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

X Seminário Lelit na Ufopa

O Grupo de Pesquisa, Estudos e Intervenção em Leitura, Escrita e Literatura na Escola da Universidade Federal do Oeste do Pará promove o X Seminário Lelit no período de 6 de outubro a 1º de dezembro de 2022, sempre às quintas-feiras, a partir das 19h, no canal do Lelit Ufopa no YouTube. Desde 2011 essas atividades de formação de leitores são desenvolvidas, através da organização de encontros de formação e oficinas de leitura. Este ano tema é “A arte é feita para incomodar”.

A primeira conferência será ministrada pelo poeta, dramaturgo e ficcionista paraense Rudinei Borges dos Santos. Natural de Itaituba, ele é autor dos livros Epístola.40: carta [des]armada aos atiradores (2016), Memorial dos meninos (2014), Dentro é lugar longe (2013), Teatro no ônibus (2013) e Chão de terra batida (2009). Rudney discorrerá sobre “Texto Teatral: invisibilidade e teimosias”. Diretor e pesquisador de teatro, Rudinei Borges também escreve peças a partir de estudo memorialista em história oral de vida e imersão em comunidades ribeirinhas amazônicas e favelas de São Paulo. O autor foi indicado ao Prêmio Shell de Teatro 2016 pela dramaturgia de Dezuó, breviário das águas.

No dia 13 de outubro será a vez do escritor, ilustrador, professor e artista plástico indígena amazonense Yaguarê Yamã falar sobre a literatura infanto-juvenil indígena. Formado em Geografia, é autor de onze livros infantis e juvenis. Depois de lecionar e dar palestras de temática indígena e ambiental por seis anos em São Paulo, Yaguarê retornou para seu povo, onde atualmente é liderança e luta pela demarcação de suas terras tradicionais.

Atriz e diretora formada pela Escola Internacional de Teatro Jacques Lecoq, em Paris, Rita Carelli fará a conferência do dia 27 de outubro, que terá como tema “Terrapreta: processo de criação literária”. Escritora e ilustradora, tem oito livros publicados, com destaque para a coleção “Um Dia na Aldeia”.

Em novembro serão duas conferências: a primeira no dia 11, com a professora Luzmara Curcino, do Departamento de Letras da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), “Sobre a (in)existência de uma cultura de leitura no Brasil”; e no dia 24, com o artista gráfico, ilustrador e escritor Maurício Negro, sobre “Ilustração: arte de reproduzir o visível ou de tornar visível o que está além?”. Designer identificado com temas ancestrais, mitológicos, ambientais, étnicos e ligados à diversidade cultural e artística brasileira, Maurício Negro já recebeu prêmios e menções no Brasil e no exterior.

O evento encerra com a conferência “Provocações da literatura indígena contemporânea”, a ser ministrada pela escritora e pesquisadora de literatura indígena brasileira contemporânea Julie Dorrico, que é descendente do povo Macuxi de Rondônia. Doutora em Teoria da Literatura pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), é autora do livro Eu sou macuxi e outras histórias (2019).

O X Seminário Lelit tem o apoio do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da Ufopa e parcerias do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Infantil (GEPEI) e do Grupo de Estudos Linguísticos do Oeste do Pará (Gelopa), ambos vinculados ao Instituto de Ciências da Educação (Iced) da Ufopa.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *