O Procurador-Geral de Justiça César Mattar Jr. inaugurou nesta quinta-feira, 16, o Núcleo Eleitoral do Ministério Público do Estado do Pará, que vai funcionar na sede das Promotorias de Justiça de Icoaraci, distrito de Belém. O coordenador será o promotor…

A desembargadora Maria de Nazaré Saavedra Guimarães, que se destaca pelo belo trabalho que desenvolve à frente da Comissão de Ações Judiciais em Direitos Humanos e Repercussão Social do Tribunal de Justiça do Estado do Pará, e que já coordenou…

Brega no Pará é coisa séria. Tem Brega Pop, Brega Calypso, Brega Marcante, Brega Saudade, Tecnobrega, Melody, Tecnomelody … Verdadeiro hino (música oficial dos 400 anos de Belém), não há quem desconheça o clássico Ao Por do Sol, eternizado na…

Uma reunião no Ministério Público do Estado do Pará colocou em pauta a situação caótica da Unidade de Conservação Estadual Área de Proteção Ambiental da Ilha do Combu, onde proliferam construções e empreendimentos comerciais irregulares, transporte fluvial desordenado, festas e…

Viajar para quê?

Ao som de Gabriel, o Pensador – Tás a Ver?

O ano de 2020 apresentou ao mundo pela primeira vez em décadas o horror de uma grande pandemia e, naturalmente, o ano em que ficar em casa foi mais importante do que nunca foi também o pior da história do turismo mundial. Pode não parecer o momento ideal para escrever sobre viagens mas talvez seja o momento ideal para pensarmos um pouco sobre por que viajamos e o que mais as viagens podem nos trazer além de fotos, experiências e recordações. 

Restrições governamentais, crises econômicas, medo, respeito, luto… Talvez nunca tantas pessoas tenham tido tantos motivos para não viajar, e, em meio a todos estes motivos, uma pergunta que sempre foi frequente tornou-se ainda mais relevante: afinal, por que viajamos? É claro que há tantas respostas certas quanto possíveis e na verdade até a mesma viagem pode acontecer por vários motivos diferentes. 

Entretanto, há uma razão que, para mim, é sempre especial: acredito que mesmo sem pensar, viajamos para nos conhecermos melhor; “nós” enquanto pessoas e “nós” enquanto sociedade. Arrisco dizer que até aquele que julga viajar “apenas” para passar o fim de semana na praia ou apenas para tirar aquela selfie acaba sempre, mesmo sem querer, por aprender um pouco mais sobre si mesmo e sobre as pessoas do mundo lá fora

E quando falo em mundo lá fora nem estou necessariamente pensando em outras cidades e países; na verdade, podemos aprender tanto sem sequer precisar sair da nossa própria cidade, basta olhá-la – e a seus habitantes – com outros olhos, com o difícil exercício de encarar aquilo e aqueles que nos cercam como se não estivessem lá o tempo todo. E, apesar de na maioria dos casos, por conta da pandemia, as razões não serem as melhores, foi até com alguma felicidade que vi nos últimos meses fotos e vídeos de colegas e amigos ao redor do mundo aproveitando suas cidades como talvez nunca tenham aproveitado. 

Aliás, os últimos meses trouxeram, um pouco pelo mundo todo, um boom do chamado staycation – expressão em inglês que resulta da junção das palavras stay (ficar) e vacation (férias) e que surgiu justamente para descrever o turismo feito por perto de casa. Foi o que permitiu que o setor do turismo em muitos países “respirasse” nas temporadas altas de 2020 e ainda em 2021 e que parece ter iniciado uma nova tendência de fazer com que passemos a dar mais valor para o que está mais perto de nós. A grama do vizinho nem sempre é mais verde. 

Muitos de nós talvez nunca tenham passado tanto tempo consigo mesmos como nos últimos meses. Muitos de nós talvez nunca tenham percebido o quanto dependemos de nós enquanto sociedade como nos últimos meses. Por isso, quer possamos apenas viajar sem sair de casa (e eu nunca viajei tanto assim como nos últimos meses) ou sem sair da nossa própria cidade; quer possamos viajar por nossa própria região ou até por nosso país e para fora dele; que possamos também tentar olhar com mais atenção e sensibilidade para nós e para os outros, aprender com as diferenças, com as semelhanças e com o quanto, no fundo, somos sempre todos muito parecidos. 

Cada viagem é sempre uma oportunidade única de conhecermos melhor as pessoas que fazem este mundo, e acredito mesmo que, de alguma forma, podemos sempre aprender com cada uma delas. Quem sabe assim, aprendemos também um pouco mais sobre como tentar fazer deste mundo um mundo melhor para todos os que aqui vivem; afinal, por enquanto, este é o único que conhecemos e é só por ele que podemos viajar. 

*O artigo acima é de total responsabilidade do autor.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *