Em reunião conjunta das Comissões de Fiscalização Financeira e Orçamentária (CFFO) e de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa, nesta segunda-feira (18) foi aprovado o projeto de lei nº 363/2021, que autoriza o Governo do Pará a contratar operação…

Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

Aprovado à unanimidade pela Assembleia Legislativa, o projeto de lei nº 245/2021, de autoria do Poder Executivo, dispondo sobre a denominação do Arquivo Público do Estado do Pará, em homenagem ao jurista e professor paraense Zeno Augusto de Bastos Veloso,…

Vale vai deixar a MRN

A Hydro assinou protocolo de intenções com a Vale para a possível aquisição dos seus 40% de participação na Mineração Rio do Norte, o que fortaleceria a posição global do conglomerado norueguês na indústria mundial da bauxita e alumina.
Uma auditoria prévia está em curso e será submetida à aprovação das diretorias das duas gigantes mineradoras, além das autoridades competentes. Os atuais acionistas da MRN são Vale (40%), Alcoa (18,2%), South 32 (14,8%), Rio Tinto Alcan(12%), CBA (10%) e Hydro (5%). 

A MRN é a maior produtora de bauxita do Brasil, opera há 36 anos na região da Calha Norte no Pará e produz 18 milhões de toneladas de bauxita por ano, numa área total de 143 mil hectares, incluindo todo o distrito de Porto Trombetas, no município de Oriximiná, ferrovia, entreposto, planta de beneficiamento, sistema de gestão de resíduos, secadores, porto e instalações de geração de energia. 

A Hydro adquiriu alguns dos negócios de alumínio da Vale em 2011, inclusive 57% das ações da refinaria de alumina Alunorte, a mina de bauxita de Paragominas, 51% das ações da fábrica Albras e 61% das ações do projeto de refino de alumina CAP, todos no Pará. O acordo de 2011 também já previa a compra da bauxita pertencente à Vale na MRN.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *