Governador do Pará e presidente do Consórcio de Governadores da Amazônia Legal, Helder Barbalho está com agenda intensa em Brasília, e em reunião com Lula nesta sexta-feira (27) apresentou documento proposto pelo CAL. Para o desenvolvimento regional do bioma amazônico,…

O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

Uma taxista pioneira em Belém do Pará


Ontem à tarde tomei um táxi, para fazer o trajeto da Assembleia Legislativa para casa. Há muito desisti de estacionar naquela zona, nunca há vagas e a procura por uma só provoca aflição. A motorista era uma senhorinha de cabelos brancos, alegre e falante, e aí eu quis saber há quanto tempo ela atua no ofício. Contou que nos últimos 26 anos dirige profissionalmente; quando começou a trabalhar na praça, era a segunda mulher taxista em Belém do Pará. Dona Lúcia Lacorte tem ponto na rua dos Timbiras, esquina com a travessa Padre Eutíquio, no bairro de Batista Campos. 

Demostrei minha admiração pelo seu pioneirismo e logo ficamos velhas amigas. Ela confidenciou que tem duas filhas gêmeas, de 36 anos, que ainda não querem lhe dar netos. Adora as redes sociais, vive plugada e antenada, só não tem Instagram, mas o WhatsApp e o Facebook ocupam seu tempo livre. Diverte-se visitando blogs e trocando fotos e mensagens. 

É mais um exemplo de luta a tantas mocinhas. Afinal, o desafio vencido de exercer um ofício tradicionalmente masculino ainda é um grande feito. A crise que assola o País expõe, de novo, de maneira cruel, a desigualdade ocupacional, a diferença de salários e a empregabilidade, além da tripla jornada de trabalho das mulheres. Até quando?

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *