Barcos regionais a motor, veleiros, vigilengas, rabetas, bajaras, canoas ubás, igarités, catraias, botes fazem parte da memória afetiva, produtiva e econômica parauara, navegando pelo oceano Atlântico, baías, rios que mais parecem mares, lagos, igarapés, furos, estreitos, igapós e campos alagados…

Embora o Quartel Tiradentes esteja localizado no coração do bairro do Reduto, sediando o 2º BPM e duas Companhias da Polícia Militar do Pará, os meliantes parecem desafiar abertamente os policiais. Os assaltos no bairro continuam muito frequentes, principalmente no…

Douglas da Costa Rodrigues Junior, estudante de Letras - Língua Portuguesa da Universidade Federal do Pará e bolsista do Museu Paraense Emílio Goeldi, ganhou a 18ª edição do Prêmio Destaque na Iniciação Científica e Tecnológica na área de Ciências Humanas…

O Ministério Público do Trabalho PA-AP abrirá na segunda-feira inscrições para Estágio de Nível Superior. A seleção será destinada ao preenchimento de vagas e formação do quadro de reserva de estagiários dos cursos de Administração/Gestão Pública, Biblioteconomia, Direito, Jornalismo, Publicidade/Propaganda…

Uma taxista pioneira em Belém do Pará


Ontem à tarde tomei um táxi, para fazer o trajeto da Assembleia Legislativa para casa. Há muito desisti de estacionar naquela zona, nunca há vagas e a procura por uma só provoca aflição. A motorista era uma senhorinha de cabelos brancos, alegre e falante, e aí eu quis saber há quanto tempo ela atua no ofício. Contou que nos últimos 26 anos dirige profissionalmente; quando começou a trabalhar na praça, era a segunda mulher taxista em Belém do Pará. Dona Lúcia Lacorte tem ponto na rua dos Timbiras, esquina com a travessa Padre Eutíquio, no bairro de Batista Campos. 

Demostrei minha admiração pelo seu pioneirismo e logo ficamos velhas amigas. Ela confidenciou que tem duas filhas gêmeas, de 36 anos, que ainda não querem lhe dar netos. Adora as redes sociais, vive plugada e antenada, só não tem Instagram, mas o WhatsApp e o Facebook ocupam seu tempo livre. Diverte-se visitando blogs e trocando fotos e mensagens. 

É mais um exemplo de luta a tantas mocinhas. Afinal, o desafio vencido de exercer um ofício tradicionalmente masculino ainda é um grande feito. A crise que assola o País expõe, de novo, de maneira cruel, a desigualdade ocupacional, a diferença de salários e a empregabilidade, além da tripla jornada de trabalho das mulheres. Até quando?

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *