Vanete Oliveira, 28 anos, mãe de cinco filhos, vive em Portel, município do arquipélago do Marajó(PA). Ela sofre há catorze anos dores atrozes além do desconforto, trauma e todo tipo de dor física e psicológica, por conta de um tumor…

As Diretorias de Combate à Corrupção e de Polícia do Interior da Polícia Civil do Pará prenderam hoje (28), no Distrito Federal, durante a Operação "Litania”, uma falsa empresária e sócios-proprietários que utilizavam empresa de fachada como instituição financeira para…

A Secretaria de Estado da Fazenda do Pará publicou extrato de dispensa de licitação para contratar a Prodepa, por R$800.427,88, a fim de desenvolver novo site da Transparência do Governo do Pará, com criação de nova arquitetura de informação, navegação…

Andar de motocicleta proporciona histórias, experiências e adrenalina. Motos oferecem facilidade de locomoção rápida e de conseguir estacionamento. Mas a liberdade é, sem dúvida, o motivo número 1 de todo motociclista. Sentir o vento, o clima, fazer parte da paisagem. Este é…

Um paraense no Salon du Livre


O Salão do Livro de Paris este ano homenageia o Brasil e recebe cerca de quarenta escritores brasucas. Edyr Augusto Proença é um deles, o único do Pará, e já lança por lá seu terceiro livro, traduzido para o francês com o título “Nid de Vipères”.  “Belém” (título original “Os Éguas”) e “Moscow”, foram  relançados no formato “livro de bolso” e “Casa de Caba” ganhou versão na Inglaterra, com o título “Hornets’Nest”. Quando o Salon du Livre terminar, vai receber em Lyon o prêmio Cameleon, na Université Jean Moulin, como o melhor livro de autor brasileiro, traduzido para o francês (“Belém”), e participará, ainda, do Quais du Polar, prestigiado festival de Literatura que reúne autores do mundo inteiro. 

As obras de Edyr Augusto – que também já estão sendo vendidas nas principais livrarias do Brasil e passaram pela Feira de Frankfurt – são alvo de críticas elogiosas entre os franceses e o escritor, dramaturgo e jornalista parauara tem sido solicitado para entrevistas, mesas redondas e até palestras sobre literatura policial. Sem dúvida, uma trajetória invejável, ainda mais considerando a natural dificuldade de todo nortista brasileiro para chegar ao mercado internacional, super disputado por nomes de peso. 

Ao lado de Salomão Laredo, Deborah Miranda, Andrei Simões e outros literatos, Edyr criou no ano passado a FLiPa, Feira Literária do Pará, cuja segunda edição está confirmada para outubro deste ano, estimulando a produção de autores paraenses através da divulgação, comercialização e premiação. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *