Nesta quinta-feira, dia 21, até o sábado, 23, a Escola do Legislativo da Assembleia Legislativa do Pará oferece os cursos de qualificação e atualização do projeto Forma Alepa/Elepa Itinerante em Santarém, atendendo toda a região do Baixo Amazonas, abrangendo também…

Em reunião conjunta das Comissões de Fiscalização Financeira e Orçamentária (CFFO) e de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa, nesta segunda-feira (18) foi aprovado o projeto de lei nº 363/2021, que autoriza o Governo do Pará a contratar operação…

Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

Um paraense no Salon du Livre


O Salão do Livro de Paris este ano homenageia o Brasil e recebe cerca de quarenta escritores brasucas. Edyr Augusto Proença é um deles, o único do Pará, e já lança por lá seu terceiro livro, traduzido para o francês com o título “Nid de Vipères”.  “Belém” (título original “Os Éguas”) e “Moscow”, foram  relançados no formato “livro de bolso” e “Casa de Caba” ganhou versão na Inglaterra, com o título “Hornets’Nest”. Quando o Salon du Livre terminar, vai receber em Lyon o prêmio Cameleon, na Université Jean Moulin, como o melhor livro de autor brasileiro, traduzido para o francês (“Belém”), e participará, ainda, do Quais du Polar, prestigiado festival de Literatura que reúne autores do mundo inteiro. 

As obras de Edyr Augusto – que também já estão sendo vendidas nas principais livrarias do Brasil e passaram pela Feira de Frankfurt – são alvo de críticas elogiosas entre os franceses e o escritor, dramaturgo e jornalista parauara tem sido solicitado para entrevistas, mesas redondas e até palestras sobre literatura policial. Sem dúvida, uma trajetória invejável, ainda mais considerando a natural dificuldade de todo nortista brasileiro para chegar ao mercado internacional, super disputado por nomes de peso. 

Ao lado de Salomão Laredo, Deborah Miranda, Andrei Simões e outros literatos, Edyr criou no ano passado a FLiPa, Feira Literária do Pará, cuja segunda edição está confirmada para outubro deste ano, estimulando a produção de autores paraenses através da divulgação, comercialização e premiação. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *