A sesquicentenária samaumeira que perdeu seus galhos na madrugada desta segunda-feira (6) é memória afetiva de todos os paraenses e até de gente de fora do Pará e do Brasil que frequenta Belém durante o Círio de Nazaré. Localizada em…

O Tribunal Regional Eleitoral do Pará oficializou o resultado da eleição suplementar em Viseu 39 minutos após o encerramento da votação. Foi eleito prefeito Cristiano Vale (nº 11 – PP – Voltando pra Cuidar da Gente) e vice-prefeito Mauro da…

Nem bem foi inaugurado, e ainda faltando a instalação dos bancos e finalização, o calçadão da Avenida Beira-Mar, em Salinópolis, sofreu diversas avarias. A Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Obras acionou a empresa responsável pela obra, que está executando ações…

A expectativa era grande em relação à ida do governador Helder Barbalho à Assembleia Legislativa para a leitura da Mensagem na instalação da 61ª Legislatura. Funcionou como uma espécie de termômetro da Casa, que abriga novos deputados na oposição, e…

Um caso curioso no Tribunal do Júri

Vejam só como a vida real é tão mirabolante quanto os folhetins: anteontem, Velusiano Mendes de Abreu, 54 anos, tratorista, foi julgado inocente pela maioria dos jurados do 3º Tribunal do Júri de Belém do Pará, presidido pela juíza Ângela Alice Alves Tuma. Ele era acusado de há 20 anos ter mandado matar Argemiro Gomes da Silva, então prefeito de Rio Maria, que tinha à época 41 anos. Conselho de Sentença acatou a tese de negativa de autoria defendida pelo advogado Glaydson da Silva Arruda, rejeitando a acusação sustentada pelo promotor de justiça Mário Raul Vicente Brasil. Além de negar participação no crime, o réu disse durante o julgamento que o prefeito tinha dezenas de inimigos. Aliás, os três envolvidos já julgados declararam em seus interrogatórios que Argemiro Silva era contumaz em forjar tentativas de homicídio para incriminar adversários políticos. Pois bem: naquele dia, Argemiro sobreviveu. 

Acontece que, em outubro de 2008, onze anos depois desse episódio, Argemiro Gomes da Silva foi de fato assassinado. Entre os acusados – adivinhem!  – Velusiano de Abreu responde pelo homicídio consumado.

O caso se passou em Rio Maria, município que fica a mais de 500 Km de Belém.
A motivação do crime não podia ser mais fútil e torpe: conforme o Ministério Público, Argemiro negou uma secretaria municipal que Adão Abreu, irmão de Velusiano, estava pleiteando. A tentativa de homicídio foi por volta das 22 horas, no dia 02 de fevereiro de 1997, na avenida Quatorze, na residência do então prefeito.
Além de Velusiano Mendes de Abreu, também foi denunciado seu irmão Adão Mendes de Abreu, que – acreditem! – morreu durante as investigações. 

Raimundo Santos Ferreira foi apontado pelo MP como intermediário e, como executores, Regivaldo Alves da Costa e Vicente Soares Silva Filho. Os três foram absolvidos por falta de provas, em novembro de 2016. O júri dos acusados foi desaforado de Rio Maria para Belém, a pedido da promotoria de Justiça. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *