0

Na reta final da janela partidária, que fecha dia 5 de abril; da filiação e domicílio eleitoral, que encerram no próximo dia 6; e das definições do “quem é quem” na campanha deste ano, os bastidores políticos parauaras estão em polvorosa.

O cenário político em Santarém, um dos maiores colégios eleitorais do Estado, é conturbado. As anunciadas pré-candidaturas de Maria do Carmo Martins Lima (PT), vice-líder do Governo na Alepa, e do secretário regional de Governo José Maria Tapajós (MDB) dividem a mesma fatia do eleitorado governista, o que favorece a oposição. Na campanha de 2022, apesar dos alertas de observadores políticos, José Maria e a esposa do prefeito Nélio Aguiar disputaram vagas na Assembleia Legislativa e nenhum foi eleito. Preocupado com o avanço da candidatura do vereador JK, o governador Helder Barbalho conversou com Maria do Carmo e pediu que ela se retirasse em favor de José Maria, indicando o vice de modo a fortalecer a chapa e não dar espaço para o bolsonarista sair na frente em eventual 2º turno ou até mesmo um palanque capaz de vencer a eleição logo no 1º turno.

A deputada disse que levaria a proposta para o PT Nacional e o presidente Lula, alegando que lidera as pesquisas e Santarém é prioridade nacional do PT, pois é a maior cidade do Norte depois de Belém e Manaus na qual o PT tem chance real de vitória. Ela está em Nova Iorque participando de evento da ONU e pediu um prazo para essa conversa.

Há outro óbice. O secretário de Estado José Maria Tapajós e Maria do Carmo mantêm relacionamento cordial. Porém, ninguém vai se espantar se houver recusa do grupo do ex-prefeito, ex-deputado estadual e federal Joaquim de Lira Maia e do prefeito Nélio Aguiar em aceitar alguém do PT como vice. Nesse caso, o plano B seria Maria e José Maria disputarem a prefeitura, ela com a força de Lula e do governo federal e ele com Helder e as máquinas estadual e municipal.

E pelo jeito vai ter que existir um plano C, porque o PT em Santarém é presidido pelo médico e músico Everaldo Martins Filho, irmão de Maria, mas há insurgentes querendo indicar outro candidato a vice do PT que não seja o médico e vereador Carlos Martins, o outro irmão da deputada.

Franssinete Florenzano
Jornalista e advogada, presidente da Academia Paraense de Jornalismo, membro da Academia Paraense de Letras, do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, da Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo e do Instituto Histórico e Geográfico do Tapajós, editora geral do portal Uruá-Tapera e consultora da Alepa. Filiada ao Sinjor Pará, à Fenaj e à Fij.

Fumbel tomba em livro próprio bens culturais

Anterior

Por mais mulheres na política

Próximo

Vocë pode gostar

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *