Desde sua origem, Marabá (PA) sofre anualmente enchentes dos rios Tocantins e Itacaiúnas e a população que reside em áreas de risco fica em situação de vulnerabilidade. Todos os anos a defesa civil estadual e municipal planeja, monitora e prepara…

Em noite de gala na próxima segunda-feira, 24, às 19h, no Teatro Maria Sylvia Nunes, em Belém, o governador Helder Barbalho vai lançar o 110º Campeonato Paraense de Futebol, o Parazão Banpará 2022, com transmissão ao vivo pela TV e…

Todos os órgãos de segurança estão trabalhando de forma integrada para dar suporte à população em face da destruição do pilar central e iminente desabamento do vão da ponte do Outeiro. O Centro Integrado de Comando e Controle da Segup…

O Procurador-Geral de Justiça do Estado do Pará, César Mattar Jr., recebeu em audiência o advogado Arnaldo Jordy e uma comissão integrada por Simone Pereira, da Universidade Federal do Pará; Marcelo Alves, da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e…

Taxa de recursos hídricos em pauta

O advogado Adnan Demachki, atual secretário especial de Gestão, vai ser titular da nova Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia. Até já marcou reunião para o dia 6 de janeiro de 2015 com empresários do setor produtivo e os deputados estaduais, a fim de discutir a regulamentação da Taxa de Controle, Acompanhamento e Fiscalização das Atividades de Exploração e Aproveitamento de Recursos Hídricos – TFRH, e o Cadastro Estadual de Controle, Acompanhamento e Fiscalização das Atividades de Exploração e Aproveitamento de Recursos Hídricos – CERH. Ele deixou escapulir a novidade em meio à reunião, hoje, com os empresários Carlos Xavier, da Faepa, José Maria Mendonça e Gualter Leitão, vice-presidentes da Fiepa; o presidente da Alepa, deputado Márcio Miranda(DEM), os deputados Raimundo Santos(PEN), Sidney Rosa(PSB), Airton Faleiro(PT) e Carlos Bordalo(PT); o secretário extraordinário do Programa Municípios Verdes, Justiniano Netto; e o procurador geral do Estado, Caio Trindade.

No encontro, Márcio Miranda explicou que o cerne da questão é, como o governador Simão Jatene esclareceu na reunião da sexta-feira passada, exercer o poder de polícia, direito que o Estado tem de fiscalizar os recursos naturais de seu território. Referindo-se às dezenas de usinas hidrelétricas previstas para serem construídas no Pará, defendeu o projeto, que classificou de inovador, argumentando a necessidade de contrapartida aos enormes impactos ambientais e sociais das UHE, de modo que o povo paraense não continue somente a assistir o comprometimento de sua fauna e flora e veja a energia sair do Estado sem deixar nada em troca.   Assumiu o compromisso de, junto com o deputado Raimundo Santos, ser “guardião” a fim de garantir que nenhuma empresa será sacrificada. 

Já o deputado Airton Faleiro(PT) reiterou posicionamento de que se não for retirado o regime de urgência do projeto – e o líder do governo, deputado José Megale(PSDB) disse depois que não será –  vai se abster na votação, embora reconheça a necessidade de aumentar a arrecadação estadual. Defendeu a criação, através de portaria, de um grupo de trabalho para acompanhar a regulamentação da taxa. 

O secretário Justiniano Netto pontuou que há diferenças de escala e de natureza jurídica quanto à aplicação da taxa. Haverá isenção do uso para abastecimento humano, o que inclui hospitais e pequeno consumo, por exemplo. O setor de alimentos terá tratamento diferenciado e será estimulado o uso sustentável da água. 
O Projeto de Lei nº 431/2014, que “Institui a Taxa de Controle, Acompanhamento e Fiscalização das Atividades de Exploração e Aproveitamento de Recursos Hídricos – TFRH, e o Cadastro Estadual de Controle, Acompanhamento e Fiscalização das Atividades de Exploração e Aproveitamento de Recursos Hídricos – CERH, de iniciativa do Poder Executivo, foi aprovado hoje no início da tarde em movimentadíssima reunião conjunta das comissões de Constituição e Justiça e de Fiscalização Financeira e Orçamentária da Alepa, presididas, respectivamente, pelos deputados Raimundo Santos e Ana Cunha(PSDB), e prestigiada pelo presidente Márcio Miranda e pelo procurador Caio Trindade. 

O deputado Raimundo Santos, relator da matéria – e que recebeu elogio do governador Simão Jatene pelo uso dos seus conhecimentos jurídicos na busca de um consenso -, apresentou parecer contemplando a maioria das reivindicações. Em emenda, isenta do pagamento da TFRH, nos termos e condições do Regulamento, a utilização de recurso hídrico em pequeno volume, a ser definido segundo as peculiaridades das diferentes atividades econômicas. E prevê que o Poder Executivo poderá reduzir o valor da taxa, para evitar onerosidade excessiva; quando da utilização de recursos hídricos para a produção na cadeia alimentícia; para atender às peculiaridades das diferentes atividades econômicas; e considerando a ocorrência de investimentos voluntários para melhorar a qualidade do uso sustentável de água. Também assegura que o Poder Executivo ouvirá a Assembleia Legislativa e entidades representativas do setor produtivo por ocasião da elaboração do regulamento da lei.

O projeto será votado em plenário amanhã, quando serão apreciadas também as emendas apresentadas pela bancada do PMDB, não acatadas pela CCJ e CFFO porque foram encaminhadas fora do âmbito das comissões, em plenário, pelo líder deputado Parsifal Pontes. O deputado Chicão pediu adiamento da votação, mas seu requerimento foi rejeitado.  Já o deputado Carlos Bordalo defendeu as suas propostas, de tratamento diferenciado à cadeia de alimentos e à possibilidade de que aqueles que investem no reuso da água possam conseguir abatimento na taxa, adiantando que se forem aprovadas votará a favor do projeto.  

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *