Nesta quinta-feira, dia 21, até o sábado, 23, a Escola do Legislativo da Assembleia Legislativa do Pará oferece os cursos de qualificação e atualização do projeto Forma Alepa/Elepa Itinerante em Santarém, atendendo toda a região do Baixo Amazonas, abrangendo também…

Em reunião conjunta das Comissões de Fiscalização Financeira e Orçamentária (CFFO) e de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa, nesta segunda-feira (18) foi aprovado o projeto de lei nº 363/2021, que autoriza o Governo do Pará a contratar operação…

Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

Sucupira é aqui

Câmara Municipal de Belém volta aos seus dias de Sucupira, a inesquecível cidade da novela de Dias Gomes. Hoje, entrou em pauta o projeto de lei de autoria do vereador Cleber Rabelo (PSTU), que reduz o salário básico dos vereadores de R$15.031,76 para R$6.304,00 (eles têm, ainda, uma verba extra, que inclui os lendários tíquetes-alimentação, que não descontam Imposto de Renda, por exemplo, e que eram vendidos a rodo)

Como era previsível, a discussão foi feroz. Então, para acalmar os ânimos, o vereador Moa Moraes (PCdoB) apresentou uma emenda substitutiva, tornando facultativa a doação de parte dos salários dos vereadores. A emenda, claro, foi aprovada com uma folga de 26 votos.  Aí a presidência da Casa entendeu que o mérito do projeto já havia sido apreciado e nem se deu ao trabalho de submeter ao plenário a proposta original. Como qualquer criança é capaz de perceber, a emenda simplesmente desmonta o projeto. Mas nada muda da realidade atual. Afinal de contas, desde quando é preciso uma lei para que alguém possa doar o seu próprio salário, ou parte dele?! Parece hipocrisia. E é, com todo respeito.

Além de Cleber, só mais dois vereadores votaram contra a emenda de Moa: Igor Normando (PHS) e Victor Cunha (PTB), mas isso porque são contrários não só à emenda como também ao projeto de redução dos salários. 

Houve quem alegasse que o projeto vai na contramão dos direitos dos trabalhadores, já que a briga deveria ser para que os salários aumentem. Mas também teve quem afirmasse que o salário não é tão alto assim: “o salário é muito pouco. Até porque eu tenho quase certeza que a maioria dos vereadores não fica nem com a metade, já que ajudam comunidades, ajudam pessoas…”, argumentou o vereador Zeca Pirão (SDD). A vereadora Ivanise Gasparim (PT) arrazoou: não abre mão do salário que considera justo, porque quem “delegou este emprego com a respectiva remuneração foi o povo de Belém nas últimas eleições”. O vereador do PSol, Dr. Chiquinho, também se posicionou contrário ao projeto e cobrou coerência: “se o vereador quer reduzir salário, que então reduza o seu”, no que chegou a ser aplaudido pelos vereadores da bancada governista.

Cleber lembrou aos colegas que vereadores são eleitos para legislar e não “ajudar” financeiramente a quem quer que seja. O presidente da Câmara, vereador Orlando Reis (PSD), proclamou que a Câmara de Belém, “em termos de despesas, de gasto público, é a mais enxuta do Brasil”. Mas – ressaltou – “isso não é divulgado pela mídia nacional, talvez pelo fato de ser uma notícia boa”. É. Isso a imprensa não vê! E sugeriu: “Em vez de o valor descontado ser destinado a entidades filantrópicas, que ele seja incorporado ao orçamento da CMB, que está no limite de 70% de seus recursos com gastos de pagamento de pessoal.” Por essa ótica, o parco dinheirinho que poderia ajudar ongs que resgatam crianças, idosos e doentes seria melhor aplicado na Câmara de Belém, que está na penúria, coitada, para pagar suas centenas de assessores.

Victor Cunha lembrou que todo vereador, ao assumir o mandato, jura defender a Constituição, e que ela fixa seus vencimentos. Também afirmou ter orgulho de ter feito parte de uma geração de vereadores que moralizou a Casa. Quando assumiu essas funções – relatou – a Câmara de Belém tinha cerca de 1.200 servidores, que foram reduzidos a pouco mais de 300, enquanto o quadro de assessores é estabelecido em até 760. Perguntinha (im)pertinente: mas a Constituição não reza que os efetivos devem ser numericamente maiores que os contratados/nomeados? 

A vereadora Marinor Brito (PSol) adiantou seu voto favorável ao projeto de Cleber Rabelo mas ressalvou que no Brasil não é o salário que enriquece o parlamentar. Sandra Batista (PCdoB) defendeu que para alterar os vencimentos dos vereadores é preciso mudar a Constituição. “O problema não está nos salários e sim nos penduricalhos. Na Alepa, existe o auxílio-paletó e auxílio-moradia e inclusive os juízes recebem o auxilio-moradia”, apontou.

Já o vereador Luiz Pereira (PR) entende que os parlamentares deveriam manter programas assistenciais para a população carente. E deu o próprio exemplo: mantém um cursinho que atende estudantes de baixa renda. “Mas não acreditamos que esse seja o papel do Estado. Nosso papel é legislar para que a população tenha esse direito garantido pelo Estado. É por isso que lutamos para mudar essa situação de dependência de favores de políticos”, fulminou Cleber Rabelo. Parafraseando Odorico Paraguaçu, o lendário “Bem-Amado”, poderia sentenciar: “talqualmente César, estou cercado de Brutus por todos
os lados”. 

Para Cleber, a síntese de todos estes argumentos é uma só: “Os vereadores não querem abrir mão de suas mordomias. Mas em um Estado onde 40% da população ganha até um salário mínimo, receber 19 vezes mais do que isso é o quê?”, espezinhou. 
“Deixemos
de lado os entretantos e vamos direto aos finalmentes”, como diria o impagável Odorico. 
Ainda tem mais. O projeto que reduz o salário do prefeito, vice-prefeita e secretários municipais ainda não foi apreciado e segue tramitando. E um “abaixo-assinado” on line corre nas redes sociais.  Salve-se quem puder!

“Povo de Sucupira, meus conterrâneos: vim de
branco para ser mais claro.”

“- Meus conterrâneos! Tomo posse como prefeito
desta cidade com as mãos limpas e o coração nu, despido estripitisicamente de
qualquer ambição de glória. Nesta hora exorbitante, neste momento extrapolante
eu alço os olhos para o meu destino e, vendo no céu a cruz de estrelas que nos
protege, peço a Deus que olhe para nossa terra e abençoe a brava gente de
Sucupira.”

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *