0
Na Aristides Lobo, entre Assis de Vasconcelos e Piedade, o pedestre não tem vez e foi jogado literalmente na rua, que é estreitíssima, disputando o espaço com carros. Na calçada direita, todos os proprietários de imóveis instalaram barras de ferro e um deles chegou ao requinte de mandar fazer uma espécie de pirâmide de concreto. A Prefeitura de Belém, é claro, não vê, não sabe, muito menos toma providências.
Franssinete Florenzano
Jornalista e advogada, presidente da Academia Paraense de Jornalismo, membro da Academia Paraense de Letras, do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, da Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo e do Instituto Histórico e Geográfico do Tapajós, editora geral do portal Uruá-Tapera e consultora da Alepa. Filiada ao Sinjor Pará, à Fenaj e à Fij.

Jabutis voltam ao habitat

Anterior

Liminar responsabiliza Fundação

Próximo

Vocë pode gostar

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *