Nesta quinta-feira, dia 21, até o sábado, 23, a Escola do Legislativo da Assembleia Legislativa do Pará oferece os cursos de qualificação e atualização do projeto Forma Alepa/Elepa Itinerante em Santarém, atendendo toda a região do Baixo Amazonas, abrangendo também…

Em reunião conjunta das Comissões de Fiscalização Financeira e Orçamentária (CFFO) e de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa, nesta segunda-feira (18) foi aprovado o projeto de lei nº 363/2021, que autoriza o Governo do Pará a contratar operação…

Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

Servidor cria espaço cultural na Alepa

Alexandre Galvão, Analista Legislativo da Alepa, lotado na Diretoria do DBES (Departamento de Bem-Estar Social), especialista em Design Gráfico, tomou uma bela iniciativa que merece prosperar. Embora a Casa não disponha de espaço adequado, encarou a burocracia, a descrença de alguns chefes em abraçar a causa, conversou como o pessoal da comissão do acervo histórico – que deu a sugestão de denominar o projeto Espaço Cultural Ângelo Custódio -, e realizou assim a primeira exposição sobre… Ângelo Custódio. Foi a Cametá escarafunchar o Museu Histórico do Município, à biblioteca, ao Cemitério da Soledade, à igreja e à Câmara de Diretores Lojistas, a fim de investigar e aprender um pouco sobre a vida do personagem. Retornou com vídeos, textos, fotos. Em sequência, escreveu o projeto museológico do espaço cultural e o projeto museográfico da primeira exposição. Pediu para a Seurb uma réplica da placa da rua Ângelo Custódio para integrar a mostra e instalar uns pontos de luz adicionais onde iria ser montada. Mesmo sem apoio, não desistiu. Teve que bancar tudo sozinho mas conseguiu montar a exposição, embora menor do que o planejado. E já iniciou as pesquisas para a segunda mostra do Espaço Cultural. 

Ângelo
Custódio se insere como vulto histórico da Cabanagem que, segundo o historiador
Caio Prado Júnior, “foi o mais
notável movimento popular do Brasil”.
Nasceu em Cametá, filho de Francisco Custódio
Correa e Joana Medeiros Correa, no ano de 1804, e em 1821, aos 17 anos de idade,
foi estudar em Paris, onde se formou em Direito. Ao regressar ao Pará,
encontrou os ânimos exaltados, com o prenúncio da Cabanagem. Seu pai foi à
primeira vítima do movimento, assassinado em Cametá exatamente na noite do
casamento de sua filha. Em 1834, Ângelo Custódio se elegeu o deputado mais
votado, sendo pela Constituição vice-presidente da Província. Quando o movimento
cabano se apoderou de Belém e assassinaram o presidente da Província, Bernardo
Lobo de Sousa, assumiu o comando através de Félix Clemente Malcher.
Com o fim de restabelecer a legalidade e dar posse a Ângelo Custódio Correa,
dois navios de guerra vieram do Maranhão sob o comando de Pedro Cunha. Quando Ângelo Custódio viajava de Cametá para pegar um dos navios, aconteceu
uma emboscada dos cabanos, da qual saiu ileso. Como Vinagre se recusava a
entregar o governo e as forças de Pedro Cunha fracassaram, Ângelo Custódio se
homiziou em Cametá, baluarte da resistência anticabana, bem defendida pelo
padre Prudêncio, e lá instalou o seu governo legal paralelo até que as forças
imperiais chegassem com meios suficientes para expulsar os cabanos, o que durou
de 15 de maio de 1835 a 13 de maio de 1836. Cametá foi, assim, a capital no
período.
Ângelo Custódio foi deputado parlamentar nacional
por três Legislaturas, exerceu a presidência da Província interinamente por
duas vezes, sendo que na última vez que assumiu faleceu no dia 25 de julho de
1855, a bordo do navio que o levava de Cametá para Belém, vítima da cólera morbus,
que dizimou seus conterrâneos em terrível epidemia. O Imperador Dom Pedro II agraciou
sua mulher com o título de Baronesa de Cametá.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *