0

Uma das melhores iniciativas da Secretaria de Estado de Cultura do Pará, o projeto Uma Noite no Museu é uma oportunidade para que os paraenses mergulhem em sua própria história e tenham acesso livre e gratuito a artes plásticas, música, teatro, artesanato e gastronomia regional no horário mais agradável diante do calor amazônico, além de compatível a todos: à noite. Além do exercício de cidadania que é poder andar na rua despreocupadamente, do Museu do Estado à Casa das Onze janelas, passando pela igreja de Santo Alexandre/Museu de Arte Sacra e Catedral da Sé, Praça Dom Frei Caetano Brandão e todo o casario do entorno, o complexo arquitetônico Feliz Lusitânia.

A saga “Visagens e Assombrações de Belém”, do jornalista, escritor, folclorista, pesquisador, cientista social, professor, economista e contador de histórias Walcyr Monteiro, ganhou adaptação em ópera rock da banda Álibi de Orfeu e do coro do Ópera Estúdio do Instituto Estadual Carlos Gomes, mesclando literatura, dramaturgia e música. E nada mais adequado que contextualizar a primeira execução mundial dessa incrível simbiose do que o Cemitério da Soledade, às 19h, cenário de várias histórias de suspense narradas nos livros de Walcyr e que permeiam o imaginário popular de Belém, como, por exemplo, a icônica Josephina Conte, a Moça do Táxi. A montagem de “Visagens e Assombrações de Belém – Ópera Rock” envolveu a Matinta Perera, a Porca do Reduto, o Lobisomem da Pedreira e outros seres fantásticos da Amazônia parauara numa atmosfera de suspense e terror, com direção cênica de Bárbara Gibson e produção da Liga do Teatro, sob a direção geral do maestro Pedro Messias. Walcyr Monteiro foi um intelectual da maior importância, membro do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, da Academia Paraense de Letras e da Academia Paraense de Jornalismo, e permanece vivo em seu extraordinário legado.

O circuito mostrou também “Brecheret Modernista – A Imagem Indígena como Símbolo de Brasilidade”, no Museu do Estado; “Simplesmente Eneida”, no Museu da Imagem e do Som; e “Amazônia Presente”, na Casa das 11 Janelas. Além disso, o público pôde conhecer os acervos de cada museu, como é o caso dos mantos e ex-votos do Museu do Círio e das peças litúrgicas datadas dos séculos XVIII e XIX, do Museu de Arte Sacra.

“Uma Noite no Museu” é  realizado pela Secult em uma sexta-feira de cada mês. Com início às 18 h, as visitações incluem também o Museu do Forte do Presépio e o Centro Cultural Palacete Faciola.

Franssinete Florenzano
Jornalista e advogada, presidente da Academia Paraense de Jornalismo, membro da Academia Paraense de Letras, do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, da Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo e do Instituto Histórico e Geográfico do Tapajós, editora geral do portal Uruá-Tapera e consultora da Alepa. Filiada ao Sinjor Pará, à Fenaj e à Fij.

Oriximiná ganhou Mirante do Trombetas

Anterior

APL encerra atividades de 2023 com sarau cultural

Próximo

Vocë pode gostar

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *