O IV Distrito Naval da Marinha do Brasil, em parceria com o Ministério Público do Estado do Pará (MPPA), Praticagem da Barra do Pará, Sociedade Amigos da Marinha Pará, Secretarias de Saúde de Barcarena e do Estado do Pará, Tribunal…

Guy Veloso, filho do saudoso jurista, notário e político Zeno Veloso, plantou em sua memória um pé de baobá na Universidade Federal do Pará, onde o ilustre parauara se destacou como professor de direito civil e direito constitucional, formando gerações…

Evellyn Vitória Souza Freitas nasceu no chão do banheiro do Hospital Municipal de Portel, município do arquipélago do Marajó (PA), no dia 28 de julho de 2021, por volta das 8h da manhã, prematura de 28 semanas e dois dias, pesando 1Kg e 39…

Vanete Oliveira, a jovem marajoara de 28 anos e mãe de cinco filhos que sofre há catorze anos com um tumor enorme em um dos olhos, que lhe cobre quase a metade da face, já está internada no Hospital Ophir…

Sancionada lei que exige eclusas em UHE

A presidente Dilma Rousseff sancionou lei que obriga a construção de eclusas junto a hidrelétricas em rios de potencial energético. A exigência deve constar nos contratos entre o poder público e a iniciativa privada. O custo do licenciamento ambiental e da construção nas obras em águas de responsabilidade da União será arcado pelo Ministério dos Transportes, a fim de não punir os consumidores com altas tarifas de energia elétrica. Aliás, artigo da lei  proíbe o repasse às contas de energia dos custos do serviço de operação e de manutenção das eclusas, que são uma espécie de elevador que corrige o desnível causado pela barragem das UHEs e restabelece a navegação dos rios. A nova lei tem origem em projeto do Senado (PL 5335/09), analisado por comissão especial e aprovado pela Câmara dos Deputados em 2014.
Pelo menos oito bacias hidrográficas devem ser beneficiadas. 
Mas, como nunca as leis são perfeitas, a exigência em relação às eclusas não se aplica às barragens de baixo aproveitamento, às construídas ou em construção e as que já passaram pelo processo licitatório. 

O deputado Alceu Moreira (PMDB-RS), relator do projeto na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania da Câmara, acentuou que “se a artéria do transporte hidroviário for interrompida, o anteparo seria, mais ou menos, como criar um abismo em uma rodovia. Imagine a BR-101 com um abismo no meio, não pode se passar daqui para lá e de lá para cá. A hidrelétrica, nesse sentido, sem eclusa, fica exatamente isso. Seria pouco eficiente criar um anteparo no rio sem que ele cumpra essa função de transporte de carga e de pessoas em qualquer lugar do País“. Pois seria bom que os congressistas do resto do Brasil tomassem conhecimento de que foi exatamente isso que a Eletronorte fez com o rio Tocantins, no Pará, quando construiu a usina de Tucuruí, na década de 1970, simplesmente barrou a navegação e só depois de quase quarenta anos de muita luta – capitaneada pela Fiepa, muitos anos sob a voz do ex-senador Gabriel Hermes e por todos os seus sucessores, pelos governadores e parlamentares e todos os demais segmentos da sociedade parauara -, é que finalmente as duas eclusas e o canal intermediário foram concluídos. Desgraçadamente, passados quatro anos de sua inauguração, o empreendimento que consumiu R$1,60 bilhão pouco ou nada funciona, é um verdadeiro elefante branco, porque o governo federal não cumpre o compromisso de executar as obras de derrocamento do pedral do Lourenço, à altura de Itupiranga(PA), além da correção de outros obstáculos à livre navegação, como os existentes na região do povoado de Nazaré dos Patos, em Breu Branco(PA).

Leiam a íntegra do projeto da Lei 13.081/15 aqui.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *