Desde sua origem, Marabá (PA) sofre anualmente enchentes dos rios Tocantins e Itacaiúnas e a população que reside em áreas de risco fica em situação de vulnerabilidade. Todos os anos a defesa civil estadual e municipal planeja, monitora e prepara…

Em noite de gala na próxima segunda-feira, 24, às 19h, no Teatro Maria Sylvia Nunes, em Belém, o governador Helder Barbalho vai lançar o 110º Campeonato Paraense de Futebol, o Parazão Banpará 2022, com transmissão ao vivo pela TV e…

Todos os órgãos de segurança estão trabalhando de forma integrada para dar suporte à população em face da destruição do pilar central e iminente desabamento do vão da ponte do Outeiro. O Centro Integrado de Comando e Controle da Segup…

O Procurador-Geral de Justiça do Estado do Pará, César Mattar Jr., recebeu em audiência o advogado Arnaldo Jordy e uma comissão integrada por Simone Pereira, da Universidade Federal do Pará; Marcelo Alves, da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e…

Relatos de tragédias amazônicas

O jornalista Evandro Corrêa acompanhou as sessões plenárias ordinárias e extraordinárias da Alepa, ontem, e presenteou o presidente, deputado Chicão, e a mim com exemplares autografados do seu livro “Sobral Santos II e Novo Amapá – 40 anos das tragédias que abalaram o Brasil”. Chicão gostou muito do presente e revelou que veio ainda criancinha, com seus pais, a bordo justamente do Sobral Santos, quando sua família migrou de Rio Branco, no Acre, para Belém do Pará, e a viagem demorou um mês, por conta das dificuldades na navegação do trecho, que na época não dispunha ainda de sinalização náutica e balizamento do canal com boias luminosas. Curiosamente, em 1989, aos 18 anos, Evandro embarcou em Itaituba com suas irmãs Ana Maria e Gorete rumo a Santarém, no “Cisne Branco”, e logo descobriu que era o mesmíssimo Sobral Santos que afundara oito anos antes no porto de Óbidos, matando mais de trezentas pessoas. Reformado e rebatizado para escapar ao estigma, o barco mudou de linha e continua na ativa.

Evandro faz em seu livro este e outros relatos de naufrágios que viraram lenda nos rios da Amazônia, e uma homenagem especial ao jornalista e advogado Sebastião Farconara, seu irmão, que se candidatou a vereador de Belém no ano passado e faleceu em março deste ano, aos 56 anos. Agradeço a gentileza do gesto, é uma obra que diz muito da realidade ribeirinha e das populações invisibilizadas neste mundão de águas.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *