O prefeito de Belém, Edmilson Rodrigues, anunciou na tarde desta segunda-feira, 8, que os recursos para a revitalização e requalificação do complexo do Mercado São Brás, na ordem de R$50 milhões, já estão garantidos pela Caixa Econômica Federal. Durante visita…

A orla da cidade concentrou o maior público de todos os tempos. Cerca de dez mil pessoas esperaram, ansiosas, o espetáculo emocionante e grandioso que incluiu barcos grandes e balsas, mas também canoeiros, as tradicionais e belíssimas barquinhas, confeccionadas com…

Área contígua ao centro histórico de Belém do Pará, Zona Especial do Patrimônio Histórico declarada por lei, o bairro do Reduto, cenário industrial da belle Époque, da Doca do Reduto no início do século XX, com suas canoas coloridas repletas…

A Primeira Seção do Superior Tribunal de Justiça fixou, sob o rito dos recursos repetitivos, a tese de que o servidor federal inativo, independentemente de prévio requerimento administrativo, tem direito à conversão em dinheiro da licença-prêmio não usufruída durante a…

Razões para não municipalizar a Ceasa-PA

Justiça se faça: o ex-vereador de Belém Carlos Augusto Barbosa triplicou a receita das Centrais de Abastecimento do Pará (Ceasa-PA), que, depois de 40 anos, receberam melhorias em seu espaço físico. Era, como diz o caboclo, um lixo, e virou um brinco. De agosto de 2013 a janeiro deste ano foram feitos investimentos na ordem de R$ 2 milhões, em benfeitorias nas áreas do complexo. Sobretudo, moralizou. As mudanças, já em fase de conclusão, foram planejadas desde o início da gestão de Carlos Augusto, que encontrou, quando assumiu a presidência – pasmem! – espaços locados a R$2 mensais. 


O mercado livre do produtor rural, área importantíssima dentro da Ceasa, já que é onde se realiza o escoamento da agricultura familiar do Estado, recebeu novas gôndolas de madeira, iluminação e demarcação do piso, o que permitiu maior organização e higiene na área de comercialização.
Outra medida adotada foi a melhoria no sistema de abastecimento hidráulico das Centrais, que incluiu a instalação de um poço artesiano e a aquisição de uma nova caixa d’água. Antes, o fluxo de água era insuficiente para os servidores e permissionários, e havia coliformes fecais no antigo poço do local. A administração também fez parceria com a Prodepa e o Banpará para implantar internet via fibra ótica no entreposto, o que melhorou a conexão via web, com acesso à informação, além de possibilitar a implantação de câmeras através do Centro Integrado de Operações (CIOP), com o qual já foi feito estudo da viabilidade da ação. Foi contratada segurança 24h, a portaria passou por reforma e o mercado foi revitalizado, com pintura, troca das instalações elétricas, padronização dos boxes e, ainda, substituição de tendas antigas das barracas que vendem melancias.
Carregadores autônomos receberam carteiras de identificação e equipamentos de proteção e de comunicação, como coletes e rádios, prezando a segurança dos trabalhadores, frequentadores e moradores do entorno.
No ano passado, Carlos Augusto intermediou reuniões entre técnicos da Agência de Defesa Agropecuária do Pará (Adepará) e permissionários, para tratar das providências legais de controle da praga da mosca da Carambola. Nos encontros, foi informada a necessidade de documentação para o trânsito intermunicipal e interestadual de alimentos, de modo a evitar apreensão e incineração dos produtos.
Já em janeiro deste ano, a Ceasa lançou a campanha “Ceasa Limpa”, a fim de reorganizar o mercado central e dar destino adequado aos resíduos orgânicos. O trabalho envolve permissionários, catadores e funcionários e qualificou lideranças para a utilização da máquina compactadora de resíduos.
Outra benfeitoria conquistada junto à prefeitura de Belém foi o serviço de roçagem e troca de iluminação na estrada que dá acesso ao complexo. A capinação e troca de 23 postes na via permitiu maior segurança no tráfego de veículos. 

Aliado a todas essas questões práticas, o presidente da Comissão de Constituição e Justiça da Assembleia Legislativa, deputado Raimundo Santos(PEN), distribuiu ontem um relatório intitulado “Motivos para não municipalizar”, elaborado pelos técnicos Luberson Carlos Amoedo da Gama, Adriana Paiva, Luís Gomes e Sidney Oliveira, da Comissão de Estudos de Comercialização da Ceasa-PA. Não à toa, já se ouvia intramuros na Alepa, ontem, que a Ceasa vai continuar no âmbito estadual. 

O blog considera questão de bom senso, aliás. Não se enxerga razões para o município de Belém arcar com esse ônus. Em todo o Brasil, as Ceasas são estaduais, com uma só exceção, que confirma a regra.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *